Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017. Atualizado às 19h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

negócios corporativos

Alterada em 16/02 às 20h14min

Entidade de educação privada pede que Cade rejeite fusão de Kroton e Estácio

A Associação Nacional dos Centros Universitários (Anaceu) protocolou junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) uma petição na qual pede que o Tribunal do órgão rejeite a fusão das companhias de ensino Kroton e Estácio. No ofício, a entidade considera que a união das gigantes de educação é inviável e resultaria em violação da concorrência.
A Anaceu representa diversas instituições de ensino com o status de centro universitário concedido pelo Ministério da Educação. Alguns dos centros associados pertencem a outros grandes grupos de ensino concorrentes de Kroton e Estácio, como Anima e Laureate.
Assim como alguns dos grupos de ensino concorrentes, a Anaceu participa no processo junto ao Cade como uma terceira interessada. A entidade alega que a operação gera desequilíbrios para centros universitários de menor porte. Critica ainda que remédios adotados pelo Cade no passado, quando da fusão da Kroton com outra gigante, a Anhanguera, não tiveram o efeito esperado.
Grandes grupos que concorrem com a Kroton e a Estácio no mercado de ensino superior já vêm manifestando oficialmente preocupações com a fusão das duas companhias desde o ano passado. Em documentos ao Cade, grupos como Laureate, dono da Anhembi Morumbi, Anima Educação e Ser Educacional apontaram riscos de a união de Kroton e Estácio afetar a concorrência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia