Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017. Atualizado às 18h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 16/02 às 19h59min

Dow Jones estende sequência de recordes, mas Nasdaq e S&P 500 caem

As bolsas de valores dos Estados Unidos perderam fôlego nesta quinta-feira (16), e encerraram perto da estabilidade com um ajuste de carteiras após cinco sessões consecutivas de fechamentos recordes. O índice Dow Jones foi o único a registrar mais um dia de ganhos.
No fim da tarde em Wall Street, o Dow Jones fechou em leve alta de 0,04%, aos 20.6190,77 pontos, estendendo sua sequência de recordes para seis sessões seguidas; o S&P 500 recuou 0,09%, para 2.347,22 pontos (no primeiro dia de perdas desde segunda-feira da semana passada); e o Nasdaq perdeu 0,08% e encerrou aos 5.814,90 pontos.
Os investidores venderam ações de companhias financeiras, que estão entre as que apresentaram os melhores desempenhos nesta semana, mas o setor com a pior performance hoje foi o de energia No terreno negativo, o Goldman Sachs caiu 0,44%, a ExxonMobil recuou 1,03% e a Chevron perdeu 1,68%.
Alguns investidores e analistas dizem que é comum as ações perderam fôlego após uma série de recordes. Nos últimos dias, os índices foram impulsionados por ganhos corporativos e um otimismo renovado sobre a economia americana. Os participantes do mercado estão ansiosos pelo anúncio do plano fiscal e tributário de Trump, que vem prometendo reduzir impostos e regulamentações, além de aumentar os gastos com investimentos em infraestrutura.
"Numa base tática, você provavelmente iria querer tirar vantagem das altas recentes nas ações e realocá-las em mercados de renda fixa com um rendimento maior, mas eu acho que tem um custo de oportunidade nisso", disse Wayne Bowers, chefe da unidade asiática da Northern Trust Asset Management. "O sentimento do comércio, consumidores e empresas globais parece estar positivo. . Isso dá mais apoia um movimento de apetite pelo risco nas carteiras", acrescentou.
Nem mesmo os dados positivos da economia americana deram apoio aos índices hoje. O Departamento do Trabalho do dos EUA informou que o número de pedidos de auxílio-desemprego subiu 5 mil na semana passada, para 239 mil. O resultado veio melhor que a previsão de analistas, que estimavam alta para 243 mil. O índice de atividade regional do Fed da Filadélfia subiu de 23,6 em janeiro para 43,3 em fevereiro, enquanto o mercado previa queda para 17,8.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia