Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/02 às 16h31min

Bolsas da Europa fecham majoritariamente em alta apoiadas por balanços

As bolsas europeias fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira (10), impulsionadas por balanços corporativos positivos, enquanto os investidores aguardavam pela reunião do presidente americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. Os ganhos acentuados das commodities também contribuíram para o bom desempenho das praças acionárias.
A bolsa de Londres terminou em alta de 0,40%, aos 7.258,75 pontos; Paris avançou 0,04%, aos 4.828,32 pontos; Frankfurt ganhou 0,21%, aos 11.666,97 pontos, e Lisboa valorizou 0,21%, aos 4.604,33 pontos; por outro lado, a bolsa de Milão caiu 0,45%, aos 18.862,11 pontos, e Madri recuou 0,64%, aos 9.378,10 pontos.
No acumulado da semana, Londres ganhou 0,98%, Paris avançou 0,06% e Frankfurt teve alta de 0,13%. Por outro lado, a bolsa de Milão caiu 1,33%, Madri perdeu 0,89% e Lisboa recuou 0,40%.
A empresa de mineração Boliden subiu mais de 9,5% depois de reportar lucro operacional de US$ 236,76 milhões, bem acima das expectativas. A siderúrgica ArcelorMittal informou que preços mais altos do aço ajudaram a reduzir as perdas do ano todo. Além disso, o Bank of American elevou a recomendação da empresa de "neutra" para "compra", levando as ações a avançarem em torno de 9% em Paris.
Ainda entre os balanços positivos, a francesa Renault registrou resultados recordes em 2016, com lucros operacionais maiores de 3%. Suas ações subiram 1,2%.
Por outro lado, as ações da Just Eat - empresa de comida a domicílio - terminaram com queda de 6,5% em Londres depois que seu chefe-executivo disse que iria se demitir por causa de problemas familiares.
As altas de mais de 2% do petróleo e superior a 4% do cobre contribuíram para o avanço das empresas do setor. Em Londres, os papéis da Shell ganharam 1,16% e os da mineradora Rio Tinto avançaram 5,63%. Os preços do petróleo subiram com força depois de um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) dizer que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cumpriram mais de 90% do acordo de cortar a produção, enquanto o cobre se beneficiou com dados da balança comercial chinesa.
Ainda que o tom positivo tenha prevalecido, a questão política na Europa, com destaque na eleição presidencial na França, ainda esteve no foco dos investidores. Além disso, o mercado operou no aguardo pela reunião entre Trump e Abe, que devem anunciar uma série de acordos bilaterais na coletiva à imprensa marcada para as 16h (de Brasília). Ainda assim, um pouco de cautela foi verificada.
Entre os indicadores do dia, a produção industrial da França recuou 0,9% em dezembro na comparação mensal, levemente abaixo do consenso, o que ajudou a limitar os ganhos de Paris.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia