Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 10/02/2017. Alterada em 09/02 às 20h50min

Clima favorece trabalho nas lavouras gaúchas

Rendimento das áreas colhidas varia de 8,5 a 12 toneladas por hectare

Rendimento das áreas colhidas varia de 8,5 a 12 toneladas por hectare


CLAUDIO FACHEL/PALÁCIO PIRATINI/JC
Os produtores de milho do Estado aceleram a colheita, visando retirar a maior área possível, em razão do início da colheita da soja, preferencial entre as culturas. As condições de tempo permitem o avanço da colheita, que chega aos 35% da área (semeada no cedo), com rendimento superior à expectativa inicial, variando, em algumas regiões, entre 8,5 t/ha e 12 t/ha.
A qualidade do produto colhido é muito boa, não apresentando índices significativos de grãos avariados, e os produtores estão colhendo as lavouras dentro dos parâmetros de umidade ideal. De acordo com a Emater, as lavouras de milho estão 25% maduras e por colher; 30%, em enchimento de grãos; 5%, em floração; e outras 5%, em germinação.
Em andamento final, segue o plantio das áreas do tarde (safrinha), mesmo que fora do zoneamento agroclimático (áreas semeadas no pós-fumo ou segundo plantio). No geral, as lavouras do milho do tarde germinaram e se desenvolvem muito bem, inclusive as lavouras plantadas em início de janeiro deste ano, que já estão recebendo a primeira adubação nitrogenada.
Em relação ao milho para elaboração de silagem (cerca de 350 mil hectares), a colheita segue para o seu término (70%), com rendimentos considerados muito bons (entre 35 t/ha e 40 t/ha), com ótima qualidade de produto final.
Para a soja, as condições meteorológicas têm se mostrado favoráveis às lavouras, que se encontram, a maioria, em florescimento e formação do grão (64%). O desenvolvimento é vigoroso nesse último período, em razão das chuvas intercaladas com períodos de sol. A soja plantada na resteva do milho apresenta excelente desenvolvimento vegetativo.
Na região das Missões, no Noroeste do Estado, foram colhidas as primeiras lavouras do cedo, com produtividade de 50 sacas de soja por hectare. No Alto Uruguai também está iniciando a colheita da soja nas áreas cultivadas com variedades mais precoces e com plantio mais do cedo. Muitas destas áreas serão repetidas com um segundo plantio (fora de época recomendada) com a mesma cultura.
O percentual colhido de soja no Estado ainda é ínfimo (1%), mas deverá se acentuar a partir de agora, com o aprontamento das lavouras. Atualmente, 10% das lavouras de soja estão maduras e por colher; 44%, em enchimento de grãos; 30%, em floração; e 15%, em germinação e desenvolvimento vegetativo.
A comercialização do grão mantém-se com lentidão nos negócios, com tendência de queda no preço. Nesta semana, o valor médio da saca de 60 quilos de soja foi de R$ 66,51, reduzindo 2,26% em relação à semana anterior. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia