Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

07/02/2017 - 21h33min. Alterada em 07/02 às 22h32min

IBP defende regras simplificadas para setor de petróleo

Agência estado
O Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) disse em nota que, apesar de sempre ter defendido o conteúdo local, os fatos mostram que as normas atuais são complexas e desestimularam investimentos.
Na visão do instituto, as regras vigentes geraram uma indústria de multas, projetos que não foram adiante e reservas de mercado. O governo quer definir na quinta-feira, 9, a política de conteúdo local que será usada em dois leilões de áreas para exploração e produção de petróleo e gás natural que acontecerão neste ano.
"Defendemos regras simplificadas e um índice global, capaz de atrair investimentos em um cenário bastante competitivo e fomentar, dessa forma, a cadeia de fornecedores buscando sempre desenvolver sua competitividade internacional para que as atividades sejam sustentáveis no longo prazo", disse o IBP em nota.
A entidade diz ainda que todos os principais fornecedores globais do setor de petróleo se instalaram no Brasil "muito antes" da regra de conteúdo local. "Vieram porque havia projetos e demanda em contratos que não possuem as atuais regras defendidas por alguns segmentos", acrescentou.
Segundo o IBP, das 20 descobertas de óleo ocorridas em contratos sob as regras mais recentes, de 2005, somente uma está recebendo algum investimento. "O resto está paralisado", informou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia