Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/02 às 15h51min

Bolsas europeias caem, com foco na política do continente e bancos pressionados

As principais bolsas europeias fecharam em queda nesta segunda-feira (6) com notícias da política do continente no radar dos investidores. Além disso, ações do setor financeiro estiveram sob pressão, após altas recentes.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,68% (2,47 pontos), em 361,60 pontos.
Na França, o candidato conservador à presidência, François Fillon, se defendeu após ser acusado de desvio de recursos por empregar a mulher e dois filhos durante seus mandatos no Parlamento. Fillon pediu desculpas, mas disse que não cometeu irregularidades e que não pretende abandonar a campanha. Segundo a imprensa local, a mulher e os filhos receberam quase 1 milhão de euros ao longo de 15 anos. Fillon disse que não houve irregularidade e criticou a imprensa por sua atuação no caso.
Os mercados acompanham a corrida presidencial francesa com temor de que Marine Le Pen, candidata da Frente Nacional, de extrema-direita, possa vencer. Le Pen quer retirar a França da União Europeia e da zona do euro e tem uma plataforma contra imigrantes. Ela é favorita no primeiro turno nas pesquisas, mas as sondagens apontam que ela perderia no segundo turno. A incerteza na política, porém, pesa sobre o sentimento nos mercados.
Além disso, o petróleo firmou-se em baixa no fim da sessão na Europa, o que ajudou a pressionar os índices acionários. Houve também realização de lucros após altas recentes em alguns papéis do setor financeiro, o que contribuiu para deixar as bolsas no vermelho.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 caiu 0,22%, para 7.172,15 pontos. Entre os bancos, Barclays caiu 0,63% e RBS teve baixa de 2,01%, mas HSBC avançou 0,19%. Entre as mineradoras, Glencore subiu 0,42%, em sessão positiva para o cobre.
Em Frankfurt, o índice DAX recuou 1,22%, para 11.509,84 pontos. Os bancos alemães também se saíram mal, como Commerzbank (-2,91%) e Deutsche Bank (-1,91%). A companhia aérea Lufthansa teve baixa de 1,06% e, no setor de energia, E.ON recuou 1,02%.
Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 0,98%, em 4.778,08 pontos. No setor financeiro, Crédit Agricole teve baixa de 2,5% e Société Générale, de 2,4%. A seguradora AXA recuou 1,9%.
O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, teve baixa de 2,21%, em 18.693,65 pontos. Intesa Sanpaolo caiu 2,42% e Banco BPM cedeu 5,85%, no setor bancário, enquanto a petroleira Eni perdeu 2,06%. A montadora Fiat teve queda de 2,45%.
Em Madri, o índice IBEX-35 caiu 1,11%, para 9.357,30 pontos. A ação do Santander teve baixa de 2,12% e a do Banco Popular Español, 2,64%. Banco de Sabadell recuou 2,34% e BBVA caiu 1%, mas Urbas Grupo Financiero subiu 4,35%, após quedas recentes.
Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 recuou 0,56%, para 4.597,07 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia