Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 14h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

VAREJO

Alterada em 06/02 às 15h15min

Vendas do varejo em todo o país caem 4,2% em janeiro, diz pesquisa

Agência Brasil
O movimento dos consumidores nas lojas de todo o país caiu 2,1% em janeiro deste ano na comparação com dezembro. Em relação a janeiro de 2016, a queda nas vendas do varejo no primeiro mês de 2017 foi de 4,2%, segundo pesquisa do Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio, divulgada hoje (6), em São Paulo.
O desemprego em alta e a necessidade de quitação de dívidas de consumidores mantiveram o consumo enfraquecido em janeiro, afirmam os economistas da Serasa.
As lojas de material de construção acusaram queda de 3,6% em janeiro, a maior dentre os segmentos varejistas. No setor de veículos, motos e peças a retração foi de 2,4%. No setor de móveis, eletroeletrônicos e informática, o recuo foi de 2,2%. Houve, ainda, retração de 1,6% tanto no segmento de combustíveis e lubrificantes como no de tecidos, vestuário, calçados e acessórios. Houve crescimento de 0,8% em janeiro na atividade de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas.
Vários segmentos varejistas recuaram em janeiro último em comparação com janeiro do ano passado. A venda de material de construção também apresentou o maior recuo com queda de 12,1% em relação a janeiro de 2016.
Em seguida, vem o segmento de móveis, eletroeletrônicos e informática, com recuo 11,3%, seguido pelo setor de tecidos, vestuário, calçados e acessórios (-11,2%). A venda de veículos, motos e peças caiu 9,4%; supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, -5,9% e combustíveis e lubrificantes, -3,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia