Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 12h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Alterada em 06/02 às 13h50min

Investimento da indústria de alimentos cai por 2 anos seguidos, revela Abia

A indústria da alimentação no Brasil teve dois anos consecutivos de queda nos investimentos. O setor encerrou 2016 com R$ 9,034 bilhões em investimentos, retração de 14,3% ante 2015, ano em que já havia ocorrido queda de 10% ante 2014.
Segundo o diretor de Economia da entidade Denis Ribeiro, o patamar de investimentos na média histórica do setor, em anos anteriores à crise, é da ordem de R$ 11,5 bilhões por ano. A queda em 2015 e 2016, diz, se justifica pelo cenário de instabilidade política e macroeconômica do Brasil, que deixou os planos de abertura de novas fábricas e ampliação de linhas "em banho-maria", disse.
Na avaliação do diretor, os investimentos em ativos fixos caíram, mas houve maior foco em destinação de recursos para áreas como desenvolvimento de produtos e marketing. "Houve aumento em lançamento de novos produtos, de investimento em marketing, porque o cenário para as vendas exigiu muito mais nesse particular", concluiu.
Ao mesmo tempo em que caiu o investimento em novos projetos fabris, houve no setor um aumento das fusões e aquisições. Segundo a Abia, as fusões e aquisições somaram, em valor, R$ 11,6 bilhões, um elevação de 25% na comparação anual. "O real se depreciou, os ativos ficaram baratos", justifica Denis Ribeiro, diretor de economia da entidade, destacando o papel de estrangeiros nas aquisições no período.

Vendas em supermercados foram mais fortes do que no ramo alimentício

A crise econômica afetou os hábitos de consumo de alimentos no Brasil e fez as vendas em lanchonetes, bares e restaurantes deixarem de ser o motor do crescimento da indústria alimentícia. Segundo a Abia, o ano de 2016 marcou uma inversão, com as vendas em supermercados pela primeira vez crescendo mais que a venda no chamado "food service", nome dado aos canais de alimentação fora do lar.
De acordo com a Abia, as vendas de alimentos e bebidas em 2016 cresceram 9,8% nos canais de varejo e 7,1% no food service.
Os números de 2016 vão contra uma tendência dos últimos anos. Segundo a entidade, na média dos últimos dez anos, as vendas no varejo cresceram em torno de 11,5% ao ano, enquanto o food service teve alta de 13,5% ao ano.
Apesar dessa inversão de tendência, o presidente da Abia, Edmundo Klotz, considerou que há uma expectativa de retomada das vendas no food service a partir do final deste ano e em 2018. Para o executivo, as dificuldades de locomoção nas grandes cidades tornam a alimentação fora do lar mais viável.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia