Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de fevereiro de 2017. Atualizado às 10h16.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

06/02/2017 - 11h16min. Alterada em 06/02 às 11h17min

Produção da indústria alimentícia caiu 0,96% em 2016, diz Abia

Em 2017, a indústria alimentícia espera uma retomada do crescimento da produção

Em 2017, a indústria alimentícia espera uma retomada do crescimento da produção


ANDR/ARQUIVO/JC
A produção da indústria alimentícia brasileira encolheu 0,96% em 2016 na comparação com o ano anterior, segundo levantamento da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia). Apesar do recuo, o resultado foi considerado "razoável" pelo presidente da entidade, Edmundo Klotz, que considerou que o setor sinaliza uma recuperação após uma queda mais profunda, da ordem de 2,9%, em 2015.
O faturamento nominal do setor cresceu 9,3% na comparação com 2015, de acordo com a Abia. A receita chegou a R$ 614,3 bilhões no ano passado. Em termos reais, porém, houve queda.
Considerando a inflação de alimentos industrializados no varejo e nos canais de consumo fora do lar, o setor registrou queda de 0,63% no faturamento do ano, destacou a Abia.
Em 2017, a indústria alimentícia espera uma retomada do crescimento da produção. A estimativa da Abia é de alta entre 0,6% e 1,2% no volume produzido este ano ante 2016.
A expectativa para as vendas em termos reais é de elevação entre 0,7% e 1,5% em 2017, conforme projetou a entidade. "Esperamos um 2017 relativamente bom em termos de crescimento", disse Klotz, considerando que tradicionalmente o setor se recupera mais rapidamente das crises do que outros setores de consumo mais discricionário. Ele destacou, porém, que o otimismo é "moderado".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia