Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de fevereiro de 2017. Atualizado às 11h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

01/02/2017 - 11h58min. Alterada em 01/02 às 12h10min

Privatização da Petrobras não está na agenda da estatal, diz Pedro Parente

Parente disse que a "Petrobras é muito querida, a sociedade tem muito orgulho, pelo seu desenvolvimento tecnológico"

Parente disse que a "Petrobras é muito querida, a sociedade tem muito orgulho, pelo seu desenvolvimento tecnológico"


YASUYOSHI CHIBA/AFP
O presidente da Petrobras, Pedro Parente, declarou, nesta quarta-feira (1), que a privatização não está na agenda da estatal. Parente disse ainda que não tem previsão para deixar o cargo. As declarações foram feitas em palestra para um público de investidores, durante a Conferência de Investimentos da América Latina 2017, na capital paulista.
"A Petrobras é muito querida, a sociedade tem muito orgulho, pelo seu desenvolvimento tecnológico. Fomos capazes de vencer desafios, chegar em águas profundas, o que ninguém acreditava. No contexto em que a sociedade não quer ou não está madura, [a privatização] não faz parte da nossa agenda", disse Parente.
Parente garantiu que não tem prazo para deixar a presidência da estatal, que ocupa desde maio de 2016. "No que depende de mim, não tenho prazo para sair. Estou comprometido, junto com a diretoria e o conselho, com a Petrobras em fazer o que tem que ser feito", declarou.
Na avaliação do executivo, o mercado financeiro reconheceu o empenho feito com o Plano de Trabalho da companhia. Segundo ele, os resultados positivos trouxeram retorno para os acionistas, tanto no preço das ações da Petrobras, quanto para os investimentos em renda fixa.
A empresa definiu como uma das prioridades a meta de desalavancagem (redução do endividamento) para 2,5 vezes em 2018. A empresa havia divulgado, anteriormente, que essa meta seria para 2020, mas houve uma antecipação em três anos.
Além do equilíbrio financeiro, a companhia traz como prioridade reduzir em 36% o total de acidentes com e sem afastamento de funcionários. "Não vamos atingir a nossa meta financeira com risco aos colaboradores, para o meio ambiente", disse Parente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia