Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h11.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 27/02/2017. Alterada em 26/02 às 20h56min

Certificação digital

Edgar Lisboa
O projeto de lei do Senado que trata da digitalização e arquivamento de documentos, de autoria do senador Magno Malta (PR-ES), será analisado novamente na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). A decisão foi tomada pelo colegiado de líderes, que entendeu a necessidade de um maior tempo para discussão da proposta, tendo em vista o amplo substitutivo que foi incorporado ao texto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), depois que a matéria já tinha passado pela CCT. A senadora gaúcha Ana Amélia (PP) chamou a atenção dos senadores sobre o grande número de emendas relacionadas ao projeto, e que foram apresentadas à Mesa Diretora, para serem apreciadas em plenário. Procurada pela diretoria da Safeweb, a senadora apresentou um requerimento, assinado conjuntamente com o senador gaúcho Lasier Martins (PSD), pedindo o reexame da matéria antes de ir a plenário.
Segurança da informação
Luiz Carlos Zancanella, presidente da Safeweb, satisfeito com a decisão, destacou o apoio dos senadores gaúchos. "Temos muitas batalhas ainda pela frente até chegarmos ao final desta guerra. Não podemos deixar que um substitutivo como esse passe. Além dos riscos à segurança da informação, a medida pode promover um verdadeiro retrocesso do País em relação à validade jurídica dos documentos eletrônicos." O substitutivo apresentado pelo senador José Maranhão (PMDB-PA), na avaliação de especialistas, compromete a validade jurídica dos documentos eletrônicos, colocando em risco a segurança da informação no Brasil.
Reforma privatizadora
A reforma da Previdência não passa de uma tentativa do presidente Michel Temer (PMDB) de privatizar a Previdência. A conclusão é do senador gaúcho Paulo Paim (PT). E, segundo ele, isso terá consequências catastróficas. A privatização da Previdência é entregar para o sistema financeiro todo o movimento dos trabalhadores que hoje depositam na Previdência. "O banco quebrou, alegou falência, adeus: leva todo o teu dinheiro embora", alertou o senador.
Preparados para o debate
Organizados pelo vice-líder do governo na Câmara dos Deputados, Darcísio Perondi (PMDB-RS, foto), os cursos sobre a reforma da Previdência direcionados aos parlamentares têm presença maciça dos deputados da base do governo Temer. Com material elaborado por consultores técnicos da Câmara e também do Senado, os políticos se preparam para o amplo debate em torno da polêmica reforma. "Praticamente uma sala de aula, onde são tiradas dúvidas, perguntas e respostas e a troca de ideias a respeito de uma das mais importantes reformas do governo de Michel Temer. Estamos preparados", diz Perondi.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia