Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 22/02/2017. Alterada em 21/02 às 22h41min

Política de drogas

A indicação de Alexandre de Moraes para o Supremo Tribunal Federal (STF) aponta uma reviravolta na política de combate às drogas. O ex-ministro da Justiça é um defensor da repressão ao uso de narcóticos e já falou em "erradicar" o uso e comércio da maconha no Brasil. O objetivo integra o Plano Nacional de Segurança, apresentado por ele na pasta. As ideias de Moraes estão em rota de colisão com as do ministro Luís Roberto Barroso (foto), que apontou a legalização da maconha e da cocaína como uma das saídas para a crise do sistema prisional brasileiro. "É preciso lidar com o realismo de que a guerra às drogas fracassou", disse. O STF já começou a discutir a descriminalização da maconha para uso próprio, mas o julgamento foi interrompido por um pedido de vista do então ministro Teori Zavascki. O uso de drogas foi despenalizado. Isso significa que quem for pego usando drogas passa a ter ficha criminal, mas não é punido.
Assunto do Congresso
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia