Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017. Atualizado às 15h35.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 09/02/2017. Alterada em 08/02 às 20h49min

Tempo próprio

Vivemos inseridos no tempo, caracterizado por estações, ritmos, festas. As estações com a subdivisão entre dia e noite é o próprio tempo que oferece. Os ritmos, isto é, a divisão em anos, meses, semanas, horas é fruto de convenção humana para marcar o tempo. As festas são expressão do modo como o ser humano se relaciona com esta realidade de desafiadora compreensão.
Os seres vivos possuem um tempo de desenvolvimento característico e um ritmo próprio. A estabilidade dos mesmos é dinâmica, resultado do equilíbrio ou da alternância constante de processos de degradação e de regeneração. O ser humano, por sua vez, pode criar, projetar-se e decidir por construir conscientemente algo novo. Ele pode ter o olhar voltado para o tempo futuro, o qual lhe permite sonhar.
No entanto, o ser humano sabe que o passado é o seu rosto mais autêntico e que lhe permite continuidade e significar o presente. O sentido do passado decorre da orientação para o futuro, para os fins que se escolhem, das possibilidades que se elegem como metas a atingir. No futuro, projetamos os valores que iluminam a memória na seleção necessária entre o que há para esquecer e o que há para reter e recordar, enquanto significante e edificante para a vida social e pessoal.
O ser humano se encontra embarcado na realidade do tempo, do qual ele não pode fugir. A compreensão do tempo expressa a finitude do ser humano. Por isso, o tempo é também marcado por simbolismo. O simbólico é onde a existência humana concreta encontra o seu enraizamento, equilíbrio e sentido.
Ao longo da história, cada cultura foi elaborando seus símbolos e ações simbólicas, destacando-se as etapas importantes da existência humana. É o que se constata, por exemplo, com as festas de nascimento, aniversário, os ritos de passagem, casamento, morte etc. Os estados também possuem e promovem datas com seu simbolismo. Temos, assim, o dia da descoberta, da independência, das vitórias, da república, da bandeira.
Do mesmo modo, a sociedade civil cultiva etapas de tempo com seu simbolismo. Exemplos disso podem ser os tempos de férias e do Carnaval.
As comunidades de fé possuem seus símbolos e cultivam suas ações simbólicas inseridas no tempo. A cultura ocidental é marcada por tais ações. Assim, se compreende o tempo da Páscoa e do Natal, com sua preparação, celebração e seus símbolos. Os símbolos se constituem numa linguagem cifrada das aspirações e dos ideais humanos. Eles sempre existiram e continuarão existindo. Eles são importantes para a vida e a cultura dos povos.
Existem símbolos com significados profundos dentro de um determinado contexto histórico e cultural. Quando abraçados com ardor, manifestam e alimentam o respeito e despertam energias inesperadas. Há símbolos e tempos que tentam traduzir convicções e valores que se apresentam como indissociáveis para a sobrevivência de uma cultura.
Quando uma sociedade desconsidera a dimensão do simbólico e seus tempos, então se vulgariza tradição, cultura, arte. Um povo que desconsidera sua arte, cultura e tradição é um povo sem raízes, ficando à mercê de impressões genéricas e conformado ao politicamente correto.
A vulgarização do universo artístico e cultural de um povo é expressão de pouco respeito para com esse mesmo povo e suas tradições. Desconsiderar, por exemplo, o tempo da quaresma e vulgarizar o Carnaval e seu tempo preocupam e fazem pensar. Até porque a existência humana não é um eterno Carnaval!
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 13/02/2017 14h20min
O TEMPO SEGUNDO A MINHA ÓTICA !!!nQuero sempre ter muito tempo de carinho para poder tratar todas as palavras com muito amor, até mesmo porque sem elas não consigo cutucar a mente e os corações dos amigos com as minhas abençoadas lorotas, até mesmo por que neste instante estou com um tempinho ocioso.nTambém não sei se é verdade, mas deve ser um terrível um escritor, bloquista ter que se ocupar com as loucuras escritas pelos outros quando na verdade o que ele mais quer, é um tempo de atenção de todos para apreciar a sua crônica.nTem gente que sempre arranja uma desculpa furada para se desculpar por não ter conseguido fazer uma determinada tarefa e isto é ridículo, por que o nosso tempo precisa ser muito melhor administrado e gerenciado, para que possamos parar de pensar na vida dos outros.nTemos muitas coisas em nossas vidas que precisamos de um tempo maior de dedicação e a nossa família, por exemplo, deveria estar sempre em primeiro plano, mas na prática por ser de casa fica em segundo plano em determinadas situações.nDentro da nossa escala de prioridades de tempo conseguimos voltar para casa e com jeitinho paramos para escutar os acontecimentos de todos com paciência e alegria por que precisamos deste tempo de carinho para a família que nos atura.nA minha vida tem um desenvolvimento interessante durante a semana de 2ª a 6ªf. Já no sábado e domingo é impressionante, fico longe do computador em casa e também não penso e nem escrevo nada fico alheio aos acontecimentos domésticos e de lazer.nSinto que a minha mente pede este descanso para pensar e fazer outras coisas que durante a semana ficam para trás, estou numa fase da vida que uma pequena oportunidade de tempo para novos aprendizados, é uma dádiva de DEUS.nReceber uma faísca de novos pensamentos ativa uma explosão de idéias que logo vão se tornando um texto mirabolante, e ao mesmo tempo, não consigo controlar estas palavras maravilhosas que continuam sendo dominantes na minha vida.nJá ia esquecendo, tenho muito tempo para ler as críticas construtivas e elogios que recebo diariamente por escrever o que penso, através da tinta que vem lá de dentro do meu coração.nPreciso reforçar que nunca é demais conseguir tempo para melhorar a nossa vida com mais conhecimentos e conviver junto de vocês amigos que me adotaram, por eu ser um abençoado Filho de Deus, escritor Gaúcho, feliz, otimista e COLORADO.nDentro do meu tempo de paciência que DEUS me ensinou, vou deixando a VIDA me levar e sempre respeitando todas as religiões, Amém. Abs. Dorian Bueno Google +, POA, 13.02.2017n