Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de março de 2017. Atualizado às 22h31.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

mobilidade

Notícia da edição impressa de 09/03/2017. Alterada em 08/03 às 18h16min

Primeira concessão de rodovia de Temer deve sair em novembro

Rodovia do Parque entre Porto Alegre e Esteio é um dos trechos gaúchos que será licitado

Rodovia do Parque entre Porto Alegre e Esteio é um dos trechos gaúchos que será licitado


ANTONIO PAZ/arquivo/JC
A primeira concessão de rodovia do governo do presidente Michel Temer, a de trechos rodoviários no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, só deverá sair em novembro. A informação foi repassada durante audiência pública presencial promovida pela ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) em Brasília para debater a privatização de 468 quilômetros das BRs-101/290/386/488 entre os dois estados. A concessão prevista vai de Passo Fundo (RS) até um pouco depois da divisa entre o estado e Santa Catarina, passando pela Região Metropolitana de Porto Alegre. Um trecho da estrada já está concedido atualmente à Concepa.
Após duas audiências públicas, uma no Estado e outra em Brasília, a diretoria da ANTT decidiu aumentar o prazo para receber contribuições para mudar o projeto de concessão. Ele terminaria no dia 17 de março e agora vai até o dia 2 de abril. Além disso, será marcada uma nova audiência pública presencial, provavelmente na cidade gaúcha de Lajeado. Dessa região, que é cortada pela BR-386, vem a principal oposição à esta concessão. Políticos e empresários da região reclamam que terão que pagar pedágio e que as obras não estariam garantidas num prazo adequado.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia