Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 22 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h28.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Editorial

Notícia da edição impressa de 23/01/2017. Alterada em 22/01 às 21h41min

Feriados vão movimentar a indústria do turismo

O ano de 2017 será pródigo em feriadões. Diversas datas caem em segundas, terças, quintas e sextas-feiras, o que provocará, pelo menos, 10 semanas em que a folga de muita gente irá além do sábado e do domingo. Para alguns setores da economia, como o da indústria e o do comércio, essa sequência é negativa, reduzindo produtividade e faturamento.
Mas há quem lucre com essa sequência de feriadões: o turismo e toda sua cadeia - companhias aéreas, de ônibus, agências de viagem etc. O setor de serviços de cidades turísticas, por consequência, também deve faturar bem. A Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) salienta que o turismo impulsiona outras 52 áreas, seja direta ou indiretamente, inclusive o varejo.
Ao todo, serão cerca de 10,5 milhões de viagens no País neste ano que vão amenizar a perda de outros setores. Esse número não considera os fins de semana prolongados que ocorrem todos os anos, casos de Carnaval e Páscoa.
O levantamento feito pelo Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Getulio Vargas, levou em consideração os feriados de 21 de abril (Tiradentes, sexta-feira), 1 de maio (Dia do Trabalho, segunda-feira), 15 de junho (Corpus Christi, quinta-feira), 7 de setembro (Independência do Brasil, quinta-feira), 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida, quinta-feira) e 2 de novembro (Finados, quinta-feira).
O estudo considerou um acréscimo de 22 dias de folga, períodos em que haverá grande movimentação em aeroportos, rodoviárias e estradas. E que ajudarão na geração de emprego no setor de viagens. Há, ainda, os feriados municipais e estaduais. No nosso caso, o 20 de setembro, marco da Revolução Farroupilha, cai numa quarta-feira. Mas Nossa Senhora de Navegantes, feriado em muitas cidades gaúchas, é numa quinta-feira, 2 de fevereiro.
O dinheiro movimentado com essas viagens rápidas não será pequeno. O Ministério do Turismo projeta que as saídas nos fins de semana prolongados por feriados injetarão R$ 21 bilhões a mais na economia do Brasil - a ideia da projeção foi levantar qual o valor a ser acrescentado na movimentação econômica nacional em 2017. Em 2015, previsão similar foi realizada e, na ocasião, foi verificado que os feriados movimentariam R$ 18 bilhões.
Segundo o estudo do ministério, o feriado que deve gerar o maior impacto em 2017 é o Dia de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro, quando 1,94 milhão de viagens movimentarão R$ 3,9 bilhões na economia.
Ainda que estejamos em janeiro, tradicional mês de férias para boa parte da população, bem como em escolas, as empresas do segmento já começaram a sentir o impacto dos feriados com o aumento na procura por pacotes de viagens.
A demanda por viagens de lazer em 2017 deverá crescer entre 8% e 14%. Os brasileiros vão poder viajar mais gastando menos, porque uma das vantagens da ocupação pulverizada ao longo do ano é o maior equilíbrio na equação oferta x demanda, o que impacta diretamente na composição das tarifas aéreas e hoteleiras.
De qualquer forma, a expectativa, ao natural, já é de crescimento da economia do País neste ano. Com essa oportunidade dos feriadões, o setor do turismo vai alavancar seu faturamento substancialmente, o que auxiliará a retomada da geração de renda e empregos no Brasil. É o que todos queremos para este 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia