Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h21.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 31/01 às 22h23min

Senadores criticam nomeação de Sessions após Trump demitir procuradora

Senadores democratas dos Estados Unidos atacaram o candidato a ocupar um cargo de procurador-geral, Jeff Sessions, nesta terça-feira (31), antes de uma votação do comitê sobre sua nomeação. As autoridades dizem que ele não tem a independência da procuradora Sally Yates, que foi demitida ontem por se recusar a defender o decreto do presidente Donald Trump suspendendo a imigração de certos países de maioria muçulmana.
O Comitê Judiciário deverá votar nesta quarta-feira o encaminhamento da indicação de Session para o plenário do Senado, mas o início da votação evidenciou como o debate político sobre o decreto presidencial se intensificou nas últimas 24 horas.
O decreto foi assinado na sexta-feira, gerando confusão entre alguns viajantes, enquanto autoridades de imigração tentavam interpretar a aplicação das novas regras. Ontem, Yates pediu para que representantes do Departamento de Justiça não apoiassem a lei. Horas depois, ela foi demitida.
A senadora democrata Dianne Feinstein disse hoje que Yates foi corajosa, acrescentando que "isso é o que um procurador-geral deve estar disposto a fazer". "Não tenho confiança de que o senador Sessions fará isso". Em testemunho prévio, Sessions prometeu seguir as leis aprovadas pelo Congresso. "A função do procurador-geral é aplicar a lei".
Republicanos do painel, incluindo alguns que haviam manifestado apoio a Yates criticaram fortemente sua atitude e disseram que o presidente estava certo em demiti-la. "É realmente uma vergonha", disse o republicano John Cornyn. "Eu espero que ela não seja lembrada por isso em sua carreira", completou.
O presidente do Comitê Judiciário, o republicano Charles Grassley, expressou frustração com a situação, incluindo o que ele chamou de demora na instalação de Sessions. "Um país sem um procurador-geral, como vimos na noite passada, é um grande problema", disse. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia