Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

25/01/2017 - 18h49min. Alterada em 25/01 às 18h49min

Trump assina ordem para construção de muro na fronteira com o México

Trump insiste que o México pagará pela obra de alguma forma

Trump insiste que o México pagará pela obra de alguma forma


NICHOLAS KAMM/AFP/JC
Com informações da Agência Brasil
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou ordens executivas polêmicas nesta quarta-feira (25). A principal medida é a autorização para o início da construção de um muro ao longo da fronteira com o México.
Segundo o novo presidente americano, a obra cobrirá 3,2 mil quilômetros de fronteira e pode custar até US$ 12 bilhões. O presidente do México, Enrique Peña Nieto, afirmou que não irá pagar pelo muro, como Trump pregou em sua campanha eleitoral. A construção do muro era uma das mais polêmicas propostas da campanha do bilionário americano, que afirma fazer o México pagar pela obra de alguma forma.
Trump também anunciou por meio de sua conta a autorização para o início das obras na fronteira com o país latino. A postagem gerou reação, mexicanos vem se manifestando nas redes pedindo que ao presidente Enrique Peña Nieto que cancelasse a visita a Washington.
Além da construção do muto, Trump também assinou ordens para congelar recursos públicos de cidades que se negam a prender e a deportar imigrantes em situação irregular, as chamadas "cidades-santuário", como Nova Iorque, Los Angeles e Chicago.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia