Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 12h24.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 04/01 às 13h27min

Obama e Trump divergem sobre futuro de Guantánamo

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, divergiu sobre o destino que o atual governo de Barack Obama pretende aos detentos prisão de Guantánamo, no mais novo embate entre as duas gestões.
Em mensagens publicadas no Twitter, o republicano afirmou que prisioneiros não deveriam mais ser transferidos da prisão em Cuba, ainda que a Casa Branca pretenda mover 23 dos 59 detentos ali.
"Não deve haver novos detentos liberados de Guantánamo. Estas pessoas são extremamente perigosas e não devem ser permitidas a voltar ao campo de batalha", disse.
Em resposta, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou que Obama gostaria de agir para reduzir a população encarcerada na prisão.
"Eu gostaria de ver novas transferências", disse. "Ele terá a oportunidade de implementar a política que acredita ser a mais efetiva quando assumir, em 20 de novembro".
O governo Obama planejou as transferências para reduzir o número de presos para aproximadamente 40. Desde os ataques de 11 de setembro, a prisão recebeu mais de 800 pessoas. 532 foram liberada ainda sob a gestão de George W. Bush, enquanto outras quase 200 foram soltas por Obama.
No início de 2016, Obama submeteu um plano ao Congresso para reduzir a capacidade do local, que foi rejeitado pelos republicanos.
"Gastar milhões de dólares, ano após ano, para manter menos de 60 homens em um complexo em Cuba não é consistente com nossos interesses como uma nação e prejudica nossa posição frente ao mundo", disse em dezembro. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia