Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de janeiro de 2017. Atualizado às 16h37.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte

31/01/2017 - 17h37min. Alterada em 31/01 às 17h38min

Marchezan recebe representantes dos rodoviários para discutir reivindicações

O prefeito destacou que debate sobre dissídio deve ser resolvido entre empresas e trabalhadores

O prefeito destacou que debate sobre dissídio deve ser resolvido entre empresas e trabalhadores


LUCIANO LANES/PMPA/JC
O prefeito Nelson Marchezan Júnior recebeu a direção do Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário de Porto Alegre, liderada pelo presidente Adair da Silva, no Paço Municipal, na tarde desta terça-feira (31). A visita serviu para que os trabalhadores expusessem a pauta de reivindicações da categoria na negociação com os empregadores, que são as empresas concessionárias do transporte coletivo. O dissídio dos rodoviários tem data-base em 1º de fevereiro e é uma das variáveis para a definição do valor da tarifa do transporte público municipal. Na data, o mandatário da Capital também apresentou a nova diretoria da Carris.
Entretanto, o prefeito reforçou que a prefeitura não pode atuar na negociação salarial, indicando que “a discussão sobre o dissídio é entre as empresas e os trabalhadores”. Segundo Marchezan, o que a prefeitura está fazendo, “é tornar o debate sobre a tarifa de ônibus o mais transparente possível. E avançar ouvindo a sociedade para enfrentar publicamente temas como as isenções no transporte público”. Ele afirmou que nos próximos dias haverá uma consulta pública sobre itens que impactam no preço da passagem.
Na última sexta-feira (27), Marchezan chamou antecipadamente os dirigentes da Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP) para dialogar sobre o reajuste da passagem, respeitando os critérios definidos pela licitação realizada em 2015, as empresas querem uma tarifa que pode chrgar a R$ 4,30. Pela primeira vez, uma equipe do Tribunal de Contas do Estado (TCE) está acompanhando desde o início as tratativas para definição do novo valor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia