Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 14h08.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

sistema carcerário

Alterada em 18/01 às 15h13min

Decisão de autorizar Forças Armadas em presídios é uma ousadia, diz Temer

Agência Brasil
O presidente Michel Temer ressaltou como uma ousadia a decisão anunciada ontem (17) de autorizar a atuação das Forças Armadas nos presídios bem como as medidas empreendidas pelo governo nos últimos meses, como as propostas de controle dos gastos públicos e de reforma da Previdência.
"Estamos sendo ousados, convenhamos. Quando nós fazemos essas propostas, nós estamos ousando", disse o presidente, no Palácio do Planalto, durante o lançamento de um projeto do Sebrae que libera crédito para pequenos empreendedores.
Para Temer, a situação das penitenciárias brasileiras é um "drama infernal", que requer mais do que coragem e "certa ousadia" para ser combatido. "Pela primeira vez, com um drama infernal que ocorre hoje nas penitenciárias do país, nós tivemos um diálogo muito produtivo com o setor de defesa, e as Forças Armadas se dispuseram a fazer as inspeções nos presídios. Porque elas tem uma grande credibilidade, em primeiro lugar, e, em segundo lugar, uma grande autoridade", afirmou.
Temer ressaltou, contudo, que o trabalho dos militares ficará restrito à inspeção e eles não terão contato direto com os detentos. "[As Forças] não terão evidentemente contato com os presos, mas terão, isto sim, a possibilidade da inspeção em todos os presídios brasileiros. É uma ousadia, mas é uma ousadia que o Brasil necessita e dá certo", completou Temer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia