Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de janeiro de 2017. Atualizado às 16h49.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

18/01/2017 - 12h01min. Alterada em 18/01 às 17h50min

Veranistas encontram baleia encalhada em praia do Litoral Norte gaúcho

Baleia da espécie Bryde pesa cerca de 40 toneladas e tem 13 metros de comprimento

Baleia da espécie Bryde pesa cerca de 40 toneladas e tem 13 metros de comprimento


Ceclimar/Divulgação/JC
Letícia Bay
Atualizada às 17h30min
Os veranistas de Imbé, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, acordaram na manhã desta quarta-feira (18) com uma surpresa. Uma baleia morta da espécie Bryde encalhou na praia de Santa Terezinha, que fica no município. O habitat da Bryde são mares tropicais, mas a espécie chega até o Sul. Foi o primeiro registro de baleia no Litoral gaúcho em 2017, segundo o O Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ceclimar/Ufrgs).  
O Ceclimar foi acionado para identificar a espécie e orientar sobre a remoção do animal. Segundo o biólogo do centro Ignácio Moreno, a baleia é um macho adulto entre sete e oito anos, pesa cerca de 40 toneladas e tem 13 metros de comprimento.
O animal deve ter morrido no dia anterior, e seu corpo acabou atracando na praia pela manhã. Moreno esclarece que o estado de decomposição reduziu as chances de avaliar as causas da morte. O biólogo diz que não foi registrado sinal de algum ferimento que possa ser associado à pesca.
A opção foi por enterrar o animal na praia. A prefeitura escavou buraco na areia onde a baleia foi depositada. Moreno explica que a transferência a outro local, como lixão, seria mais difícil e ainda poderia gerar risco sanitário e de contaminação. O município vai monitorar o local. O biólogo explicou que o ambiente acaba absorvendo os restos do cetáceo. O Ceclimar coletou a mandíbula e outros materiais para pesquisa. No futuro, pretende desenterrar a cabeça para inserir em acervo de estudos da espécie.     
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia