Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de janeiro de 2017. Atualizado às 19h09.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Habitação

Alterada em 17/01 às 20h12min

Líder do MTST é solto após ser detido em reintegração de posse em São Paulo

Agência Brasil
O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos, foi solto às 19h15 de hoje (17), após passar o dia detido no 49ª Distrito Policial, em São Mateus, na zona leste da capital paulista. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, ele foi detido sob acusação de desobediência, incitação à violência e por ter lançado rojões contra a Polícia Militar durante a ação de reintegração de posse de um terreno, em São Mateus, onde moravam 700 famílias.
Na saída de delegacia, Boulos foi recebido por integrantes do movimento. Guilherme Boulos contestou a prisão, alegando ser arbitrária e de cunho político. "Fui lá negociar para buscar evitar que houvesse a reintegração. Foi uma prisão evidentemente política", disse.
O coordenador disse que foi ao local, onde ocorria a reintegração, para que o despejo das famílias fosse adiado até que o juiz apreciasse um novo pedido para suspensão da ação. Ele relatou que se apresentou como mediador a pedido dos integrantes da Ocupação Colonial, que não faz parte do MTST.  O líder disse ainda ter ficado surpreso com as acusações. "Estou surpreso com a criatividade da assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança, ou do secretário, de quem quer que seja que publicou uma asneira dessas", disse.
Boulos disse ainda que, no momento em que foi detido, o policial citou como um dos motivos outras manifestações feitas pelo movimento, entre elas um protesto realizado em maio do ano passado, em Pinheiros, na zona oeste paulistana, em frente à casa do presidente Michel Temer.
Do lado de fora da delegacia, integrantes do MTST passaram o dia aguardando a liberação de Boulos. Entre eles, estavam o vereador Eduardo Suplicy (PT) e o padre Júlio Lancelotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua. 
"Eu tenho a convicção que todo o procedimento do Guilherme Boulos foi estar solidário às famílias muito carentes que com dificuldade de moradia há mais de um ano e meio estavam nessa área que estava há mais de 20 anos sem utilização", disse Suplicy que acompanhou os depoimentos dos policiais militares sobre o caso.
A organização não governamental Artigo 19 divulgou um comunicado criticando a prisão do líder do MTST. "A prisão de Guilherme Boulos é um ato desproporcional, representativa de um recrudescimento aos direitos sociais e civis no país, inclusive o direito de protesto. Por isso, a entidade reivindica a liberação imediata do militante e a responsabilização dos agentes das forças de segurança por todas as violações que possam ter sido cometidas durante a reintegração de posse", diz a nota.
Parlamentares da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, integrantes do Grupo Progressista do Parlamento do Mercosul, repudiaram, em nota, o caso. "A prisão de Boulos, por suposta desobediência civil, é um sintoma do momento político e social que o Brasil e a região vivem com governo de direita que buscam criminalizar os movimentos sociais, e eliminar as liberdade e direitos sociais conquistados com muito esforço pelo povo nos últimos quinze anos".
A Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados também emitiu nota criticando a prisão. "As ocupações de terrenos urbanos e rurais para fins de satisfação das necessidades básicas de alimentação e moradia tampouco é um ilícito. Trata-se de efetivação do disposto no Artigo 3º da Constituição, que estabelece como objetivo da República construir uma sociedade livre, justa e solidária. Trata-se, ainda, de buscar efetivar a função social da propriedade e os direitos garantidos nas normas jurídicas nacionais e internacionais".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia