Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h16.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

SISTEMA CARCERÁRIO

06/01/2017 - 14h46min. Alterada em 06/01 às 14h47min

Após massacres, OAB vai acionar Corte Interamericana de Direitos Humanos

Agência Brasil
O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e seccionais do Amazonas e de Roraima informaram nesta sexta-feira (6) que vão acionar a Corte Interamericana de Direitos Humanos contra o Estado brasileiro, em decorrência dos massacres ocorridos em penitenciárias daqueles estados, nesta semana, quando ao menos 89 pessoas foram mortas em meio a rebeliões.
Nesta sexta-feira, 33 presos foram assassinados na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), em Boa Vista, a maior do estado de Roraima. O massacre ocorreu pouco depois de 56 presos terem sido mortos durante rebelião que durou 17 horas, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, entre os dias 1º e 2 de janeiro.
Para os governos do Amazonas e de Roraima, a guerra entre facções rivais foi a principal motivação para as mortes. O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou hoje que diversos fatores contribuíram para as tragédias.
De acordo com o presidente da OAB, Claudio Lamachia, o Estado brasileiro perdeu o controle das prisões, que encontram-se na mão do crime organizado. Segundo Lamachia, o objetivo da atuação na Corte Interamericana é obrigar o Estado a tomar providência para garantir a aplicação das leis e o Estado Democrático de Direito.
"O que ocorreu no início desta semana, no estado do Amazonas, e o que ocorreu ontem, no estado de Roraima, é a demonstração mais clara, cabal e definitiva da total falência do Estado brasileiro na administração do sistema prisional", afirmou Lamachia, em mensagem a jornalistas.
O Estado brasileiro já responde ao Sistema Interamericano de Direitos Humanos por violações nas unidades prisionais do Rio Grande do Sul (Presídio Central de Porto Alegre), Rondônia (Urso Branco), Pernambuco (Aníbal Bruno) e Maranhão (Pedrinhas), além de São Paulo (Parque São Lucas).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
joao carlos 06/01/2017 19h07min
ME IMPRESSIONO CADA VEZ MAIS COM A OAB. O CIDADÃO COMUM ESTÁ SOFRENDO COM A BANDIDAGEM SOLTA, TERRA SEM LEI, ASSALTOS, ASSASSINATOS E VIOLENCIA SEM LIMITES E A OAB FICA EM SILENCIO. AGORA QUANDO ACONTECE ALGO COM OS BANDIDOS "VITIMAS DA SOCIEDADE DESUMANA", SAO OS PRIMEIROS A RECORRER AOS ORGAOS INTERNACIONAIS. A OAB A MUITO TEMPO DEIXOU DE SER A ORDEM QUE DEFENDE OS DIREITOS-HUMANOS PARA OS HUMANOS DIREITOS, PARA SE "ESQUERDIZAR".LAMENTÁVEL!!