Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h47.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

clima

Notícia da edição impressa de 05/01/2017. Alterada em 05/01 às 08h50min

Uma tarde debaixo d'água em Porto Alegre

Temporal causou queda de árvore na Lima e Silva, interrompendo a via

Temporal causou queda de árvore na Lima e Silva, interrompendo a via


JONATHAN HECKLER/JC
Um temporal caiu sobre Porto Alegre durante a tarde de ontem, causando uma série de transtornos para a população. Várias áreas da Região Metropolitana e do Vale dos Sinos também sofreram com o aguaceiro, que provocou alagamentos, derrubou árvores e causou interrupção no fornecimento de energia elétrica.
De acordo com o Centro Integrado de Comando da Capital (Ceic), foram registrados 322 raios no decorrer da instabilidade. A estação do Ceic no Moinhos de Vento marcou 32,9 mm de chuva, enquanto no Centro Histórico chegou a 31 mm e no Sarandi, a 27,8 mm.
A etapa mais intensa da chuva durou cerca de 40 minutos e atingiu com maior intensidade as zonas Leste e Norte, além da área central. Pouco antes das 20h, cerca de 39 mil clientes permaneciam sem energia elétrica em Porto Alegre, segundo a Companhia Estadual de Energia Elétrica. No pior momento, quase 150 mil gaúchos enfrentaram falta de luz, sendo cerca de 70 mil na área de Porto Alegre.
Na Capital, a maior parte dos problemas de abastecimento estiveram concentrados na zona Norte. Os bairros Rio Branco, Floresta e Passo D'Areia foram alguns dos mais afetados. O Departamento Municipal de Água e Esgotos informou que falhas no fornecimento de energia interromperam o bombeamento de água em várias estações, com as situações mais graves registradas em Belém Velho e na região das Ilhas. Também foi verificada falta de água em Alvorada, Glorinha, Gravataí, Montenegro e Viamão, todas na área da Corsan.
Quedas de árvores e alagamentos provocaram interrupções em diversas vias. A esquina da Aparício Borges com a Oscar Pereira foi coberta pela água, bem como trechos da Osvaldo Aranha e da Rua da Conceição, em especial nos acessos ao Túnel e à Farrapos. Por volta das 18h30min, cerca de 20 pontos ainda apresentavam acúmulo de água, segundo a Empresa Pública de Transportes e Circulação.
Na Corte Real com a Felipe de Oliveira, por sua vez, o problema foi a queda de uma árvore, que causou interrupção total na circulação de veículos. A mesma situação foi verificada na esquina da Lima e Silva com a República. Outra interrupção foi verificada na BR-290 (freeway), sentido Capital-Interior, com um protesto de moradores sem luz causando interrupção no km 99.
As dificuldades causadas pela intensa chuva já tinham se manifestado na madrugada de ontem. Em Porto Alegre, a madrugada foi de chuva forte em algumas áreas, com o Ceic registrando 70,3 mm no pluviômetro da Lomba do Pinheiro - número próximo da média histórica para o mês de janeiro, de 100mm. De acordo com a Defesa Civil do Estado, os maiores problemas foram verificados na Região Metropolitana, em especial em Viamão, com cerca de 500 famílias atingidas. No entanto, não havia registro de desabrigados ou desalojados, segundo o órgão. 
Para hoje, o Instituto Nacional de Meteorologia prevê tempo nublado, com pancadas de chuva e trovoadas. Não é possível descartar ocorrência de chuva forte e queda de granizo em áreas isoladas. No Estado, as temperaturas devem oscilar entre 17 e 33 graus; na Capital, a previsão é de oscilação entre 22 e 31 graus. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia