Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de janeiro de 2017. Atualizado às 10h43.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

sistema carcerário

Alterada em 02/01 às 11h48min

Rebelião em presídio de Manaus deixa ao menos 50 mortos

Uma rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), o maior presídio do Amazonas, deixou pelo menos 50 mortos. O motim começou ainda na tarde de domingo (1) e durou cerca de 17 horas. Segundo informações do jornal A Crítica, houve também fuga de presos. O Secretário de Segurança Pública do Estado do Amazonas, Sérgio Fontes, declarou à publicação que um conflito interno entre facções motivou a rebelião e chamou o episódio de massacre. O conflito foi encerrado por volta das 8h30min desta segunda-feira (2).
Ainda segundo o secretário, detentos foram decapitados e jogados para fora do presídio. Além das mortes, seis agentes penitenciários e um técnico de enfermagem foram mantidos reféns pelos presos. 
Após a liberação dos últimos reféns, policiais da tropa de choque e da Rocam entraram no local para realizar a contagem para saber quantos detentos fugiram e quantos foram mortos. Uma equipe do Exército está colaborando com as buscas e realizando sobrevoos na mata que fica em torno do complexo. Até o momento, 20 presos já foram recapturados, segundo o jornal local.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia