Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 21 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h54.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Futebol

Alterada em 21/01 às 18h56min

Em cerimônia emocionante, Chapecoense ergue a taça de campeã da Sul-Americana em amistoso com o Palmeiras

Viúvas e parentes dos jogadores falecidos demonstraram emoção ao receberem as medalhas e levantar a taça da Sul-Americana

Viúvas e parentes dos jogadores falecidos demonstraram emoção ao receberem as medalhas e levantar a taça da Sul-Americana


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
A Chapecoense pôde enfim comemorar o título da Copa Sul-Americana. Exatas sete semanas depois do funeral das vítimas da tragédia aérea com a delegação da equipe, na Colômbia, a Arena Condá voltou a ficar cheia neste sábado (21), desta vez por um motivo mais feliz. Os sobreviventes receberam a taça, os familiares dos falecidos ganharam medalhas e a torcida gritou "é campeão".
Antes do amistoso com o Palmeiras, o primeiro jogo depois da tragédia, o clube organizou uma cerimônia de homenagem às vítimas. Um dos pontos altos foi a entrada em campo dos três jogadores sobreviventes da queda do avião da LaMia em Medellín, na Colômbia. O goleiro Follmann recebeu autorização especial para deixar o hospital onde segue internado e entrar em campo com cadeira de rodas, acompanhado pelo zagueiro Neto e pelo lateral-esquerdo Alan Ruschel.
A cerimônia teve a exibição de vídeos de homenagem aos antigos componentes da equipe e da comissão técnica que estavam entre os 71 mortos no acidente. Em campo, os presidentes da Chapecoense, Plínio David de Nês Filho, e do Palmeiras, Maurício Galiotte, junto com o prefeito da cidade catarinense, Luciano Boligon, receberam os homenageados e conduziram o ritual de premiação.
As viúvas e parentes dos jogadores mortos demonstraram emoção ao receberem as medalhas. Na sequência, a torcida foi apresentada aos novos atletas, em uma espécie de ato de transição do passado doloroso para o futuro, que traz a esperança da disputa da primeira Copa Libertadores da história da Chapecoense. Mais de 20 atletas foram contratados para repor a morte de 19 integrantes do elenco de 2016.
A cidade de Chapecó amanheceu em ambiente à altura da definição do amistoso, chamado de "Jogo da Amizade". O estádio sem divisão de torcidas se estendeu pelas ruas, onde camisas dos dois time conviveram pacificamente. Para realçar o alviverde, alguns foram à Arena Condá com o uniforme do Atlético Nacional, clube colombiano que seria o adversário da Chapecoense na final da Sul-Americana.
O alambrado decorado com dobraduras japonesas, faixas com mensagens de apoio e bandeiras da Colômbia marcavam a paisagem. A diretoria distribuiu 10 mil escudos do clube e 10 mil estrelas de papel para compor o cenário. O departamento de marketing, junto com uma torcida organizada, elaborou um novo mosaico.
O amistoso terminou empatado em 2 a 2. Douglas Grolli e Amaral marcaram os gols da Chape e Raphael Veiga e Vitinho fizeram os gols do Palmeiras.
Com reportagem do Estadão Conteúdo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia