Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 01/02/2017. Alterada em 31/01 às 21h19min

Medida provisória para renegociar concessão é questionada por entidades

As partes envolvidas na renegociação de concessões problemáticas de infraestrutura questionam a eficácia da Medida Provisória (MP) nº 752, editada pelo governo no fim do ano passado, para tentar destravar investimentos emperrados. Durante evento promovido pelo Credit Suisse, o presidente da Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias (ABCR), César Borges, disse que não tem visto uma boa vontade das empresas em devolver essas concessões se não houver mais clareza sobre como será a indenização. A mesma opinião foi emitida pelo presidente da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos.
"Não vejo entusiasmo das concessionárias a aderirem a essa opção de caducidade amigável. Se não houver amortização do investimento, elas não vão devolver", comentou Borges. Segundo ele, a MP pode, na verdade, criar um novo nó, já que as empresas vão interromper os investimentos, entendendo que há uma chance muito grande de essa negociação com o governo ser judicializada lá na frente. "O governo tem de dizer claramente qual será a indenização."
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia