Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de janeiro de 2017. Atualizado às 14h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

30/01/2017 - 15h58min. Alterada em 30/01 às 15h59min

Meirelles destaca que resultado primário do Governo Central ficou acima da meta

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, destacou nesta segunda-feira (30) que o resultado primário do Governo Central em 2016 (déficit de R$ 154,255 bilhões) foi "melhor do que o previsto", uma vez que ficou acima da meta, que era negativa em R$ 170,5 bilhões. "É muito importante este momento em que anunciamos o cumprimento da meta e um resultado melhor do que o previsto, pois realizamos déficit menor", disse o ministro em mensagem gravada, apresentada no auditório da pasta em Brasília. Hoje, Meirelles cumpre agenda em São Paulo.
O ministro também destacou que o teto de gastos vai permitir que o Brasil retome "gradualmente" a produção de superávits primários, gerando economia necessária para a estabilização e redução da dívida pública e a "confiança para a retomada do crescimento econômico". Neste ano, o teto de gastos foi estimado pelo Tesouro em R$ 1,301 trilhão.
Meirelles destacou a revisão da meta primária feita logo no início do governo do presidente Michel Temer, em maio do ano passado. Segundo o ministro, a fixação da meta foi feita "a partir de diagnóstico realista". "Pela primeira vez ficou claro o tamanho do desafio e a importância do ajuste fiscal para a retomada do equilíbrio", disse.
"Durante todo o ano, conduzimos de forma rigorosa a execução orçamentária e financeira, o que permitiu o pagamento de despesas de anos anteriores. Esse esforço reduziu em mais de R$ 37,5 bilhões o estoque de restos a pagar da União, o maior volume dos últimos dez anos. Todo esse trabalho foi fundamental para a reorganização das contas públicas", afirmou Meirelles.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia