Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de janeiro de 2017. Atualizado às 09h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

30/01/2017 - 10h18min. Alterada em 30/01 às 10h19min

Cobre cai no aguardo por novidades de greve em mina no Chile e dólar mais forte

Os preços do cobre operam em queda nesta segunda-feira (30) em meio a cautela diante do aguardo de novas notícias sobre uma greve em potencial de mineiros no Chile. A alta do dólar ante moedas principais também penaliza os preços.
Na London Metal Exchange (LME), o contrato para três meses operava em queda de 0,1%, a US$ 5.890,50 a por tonelada, por volta das 9h (de Brasília). Na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o metal para março caía 0,17%, a US$ 2,6850 por libra-peso, às 9h33.
"Com o mercado chinês fechado, esperamos que os mercados de commodities sejam relativamente fracos nesta semana", escreveram analistas da ANZ em nota.
O cobre foi o único metal básico a ganhar terreno na LME na semana passada, acumulando alta de 2,6%. A corretora Marex Spectron colocou isso na percepção de que o risco de interrupção do fornecimento está aumentando.
Investidores aguardam o resultado das negociações entre líderes sindicais e dirigentes da mina de Escondida, a maior do mundo. Na terça-feira, os trabalhadores rejeitaram a última oferta feita pela diretoria da mina, que é controlada pela BHP Billiton.
Relatos de que a produção na mina de cobre Cerro Verde da Freeport-McMoRan no Peru pode ser temporariamente afetada por deslizamentos de terra.
O relatório das ações diárias da LME apontou para um mercado físico cada vez mais apertado. Os estoques de cobre sob controle mantidos em armazéns da LME caíram 10.200 toneladas, ou quase 6% durante a noite, para 170.700 toneladas.
Entre outros metais na LME, o alumínio caía 0,7%, a US$ 1.810,50 a tonelada e o estanho recuava 0,9%, para US$ 19.750 por tonelada. O chumbo subiu 0,3%, a US$ 2.282 por tonelada, o níquel avançava 0,3%, para US$ 9.575 a tonelada e o zinco ganhava 0,1%, para US$ 2.766 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia