Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de janeiro de 2017. Atualizado às 09h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/01/2017 - 10h19min. Alterada em 17/01 às 10h19min

Dólar cai mais de 1% com exterior, swap e Trump

O dólar abriu em queda de mais de 1% ante o real nesta terça-feira (17), em meio a uma realização de lucros após a moeda subir 2,12% nas últimas duas sessões. Investidores reduzem posições cambiais estimulados pela baixa da moeda norte-americana no exterior e pelo início da rolagem do vencimento de swap cambial de 1º de fevereiro, com oferta de até 12 mil contratos (US$ 600 milhões) no período da manhã.
Por volta das 9h50min, o dólar à vista no balcão era negociado a R$ 3,2010, em queda de 1,27%, enquanto no mercado futuro a moeda para fevereiro estava cotada a R$ 3,2115, em baixa de 1,43%.
Lá fora, o dólar opera em forte queda, influenciado por declarações do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump. Em entrevista ao Wall Street Journal, o republicano afirmou que o dólar estava "muito forte" e também criticou a proposta de congressistas de seu partido para elevar tarifas de importação e isentar exportações, afirmando que ela era muito complicada.
Tal medida, conhecida como "ajuste de fronteira", poderia resultar numa alta "automática" de 20% a 25% da moeda norte-americana, notam economistas do banco BBH em relatório a clientes.
A expectativa dos mercados agora é pelo discurso da primeira-ministra britânica, Theresa May, sobre o chamado Brexit, previsto para logo mais, às 9h45. May dirá nesta terça que o Reino Unido não vai querer manter uma "filiação parcial" à União Europeia "ou qualquer coisa que nos deixe meio dentro, meio fora".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia