Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Empresas

Alterada em 16/01 às 12h45min

Coca-Cola eleva investimento para R$ 3 bilhões no Brasil em 2017

Expectativa da empresa é que o Brasil apresente aceleração nas vendas de refrigerantes reduzidos em açúcar

Expectativa da empresa é que o Brasil apresente aceleração nas vendas de refrigerantes reduzidos em açúcar


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
A Coca-Cola elevará os investimentos no Brasil este ano diante de uma estratégia de expansão da distribuição e mudança no marketing para os refrigerantes sem ou reduzidos em açúcar. De acordo com o presidente da Coca-Cola Brasil, Henrique Braun, a companhia deve investir em torno de R$ 3 bilhões em 2017, montante 10% superior à média dos últimos cinco anos.
Braun não deu detalhes sobre o destino dos investimentos, mas destacou vertentes como infraestrutura, equipamentos e incluiu o marketing na conta.
O presidente da companhia, que assumiu o posto em setembro passado, destacou que o grupo tem como meta para o País aumentar a distribuição das versões com menos açúcar ou sem da Coca-Cola. A expectativa é crescer a distribuição do refrigerante Zero Açúcar e Com Stevia em 50% este ano.
A companhia parte para novas campanhas de marketing depois de ter mudado suas embalagens. As versões sem e com menos açúcar passam a ter também o "disco vermelho" característico da marca estampado. Em evento nesta segunda-feira em São Paulo, Marcos de Quinto, vice-presidente global de marketing da Coca-Cola Company, diz que o objetivo da mudança foi passar a tratar as outras versões como variantes de uma mesma marca e não marcas distintas, unificando a publicidade.
O esforço da Coca-Cola de melhorar a distribuição e intensificar a comunicação de seus produtos reduzidos em açúcar ocorre num momento de mercado em que a produção de refrigerantes segue em queda. No acumulado dos 11 primeiros meses do ano passado - último dado público disponível - a produção de refrigerantes apresentou queda de 6,03%, para 12,52 bilhões de litros no Brasil.
Questionado sobre o cenário no País, Braun afirmou que o Brasil é um mercado importante para o grupo e que os investimentos miram o longo prazo. A expectativa da empresa é que o Brasil, quarto maior mercado consumidor da Coca-Cola no mundo, apresente aceleração nas vendas dos refrigerantes reduzidos em açúcar depois das novas campanhas, a exemplo de outros países, mas sem mensurar números.
Além da busca por produtos saudáveis, as companhias de bebidas têm enfrentado no País o desafio de lidar com a migração das vendas para itens de preço mais baixo. Líderes de mercado em várias categorias de produtos acabaram perdendo a preferência do consumidor.
Braun considera que a Coca-Cola está preparada para lidar com essa maior sensibilidade do consumidor a preço. Isso porque o portfólio inclui marcas em pontos de preço mais baixo e a oferta de produtos reduzidos em açúcar tem ocorrido também nessas linhas, disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia