Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 13h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

Alterada em 04/01 às 14h33min

Piora da crise política barra avanço do programa de renovação, diz Fenabrave

O presidente da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Alarico Assumpção Jr, afirmou nesta quarta-feira (4) que a piora da crise política acabou barrando o avanço do programa de renovação de frota que vem sendo elaborado pelo governo em parceria com entidades do setor automotivo, numa tentativa de estimular a venda de veículos no Brasil e tirar de circulação modelos mais poluentes e menos seguros.
Segundo Assumpção Jr, o projeto continua parado na mesa Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e ainda não houve um convite do presidente Michel Temer para que o tema fosse discutido mais profundamente com os representantes do setor.
"O governo tem sempre uma justificativa, lamentavelmente. Eu não quero transferir responsabilidade, mas no segundo semestre a questão política voltou muito gravemente, com essa briga entre poderes, isso abala, a inércia volta", criticou o empresário.
Em novembro do ano passado, durante o Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, o ministro Marcos Pereira, titular do MDIC, mostrou otimismo com programa de renovação de frota e disse que, até o fim de 2016, o projeto seria apresentado ao presidente Michel Temer. Afirmou também que tinha a expectativa de que, até o fim do primeiro semestre, o projeto saísse do papel e estivesse apto a entrar em vigor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia