Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

04/01/2017 - 12h30min. Alterada em 04/01 às 12h31min

Venda total de veículos novos cai 20,19% em 2016 ante 2015

Em dezembro de 2016 a queda foi de 10,24% na comparação com dezembro de 2015

Em dezembro de 2016 a queda foi de 10,24% na comparação com dezembro de 2015


JONATHAN HECKLER/JC
Com o aprofundamento da recessão e a piora das condições de emprego e crédito, a venda de veículos novos no Brasil caiu 20,19% em 2016 na comparação com 2015, para 2.050.327 unidades, informou nesta quarta-feira (4), a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Trata-se do menor volume desde 2006 e da quarta retração anual seguida do setor.
Em dezembro, mês que faltava ser apurado para que o resultado final do ano fosse conhecido, as vendas somaram 204.397 unidades, recuo de 10,24% em comparação a dezembro de 2015, mas crescimento de 14,73% ante as vendas registradas em novembro de 2016 - parte do avanço é explicado pelo tradicional aquecimento do consumo no fim do ano e do maior número de dias úteis em dezembro.
O mercado de veículos começou a cair em 2013, depois de uma sequência de nove anos seguidos de alta, com o ano de 2012 marcado por um recorde de 3,8 milhões de unidades vendidas. O boom das vendas, no entanto, resultou em um alto nível de inadimplência, o que fez com que o mercado passasse a recuar a partir do ano seguinte.
Em 2015, com o estouro da crise e o aumento do desemprego, a situação se agravou e as vendas caíram 26,5%, o maior tombo em 27 anos. Com o resultado de 2016, o setor acumula retração de quase 50% em quatro anos.
Por segmento, as vendas de automóveis e comerciais leves, que representam a maior fatia do mercado, somaram 1.986.389 unidades no ano passado, recuo de 19,8% em relação ao volume de 2015. Só em dezembro, foram 199.024 emplacamentos nos dois segmentos, baixa de 9,78% ante o resultado de dezembro do ano passado, mas alta de 14,66% na comparação com novembro.
Entre os pesados, o mercado de caminhões teve contração de 29,92% em 2016, para 50.292 unidades. No último mês do ano, foram 4.446 caminhões vendidos, recuo de 20,29% ante o nível de igual mês de 2015, porém avanço de 17,68% sobre o volume de novembro. No caso dos ônibus, o ano terminou com queda de 32,92%, para 13.646 unidades.
Em dezembro, as concessionárias venderam um total de 927 ônibus, queda de 40,42% em relação a dezembro de 2015, mas expansão de 15,44% na comparação com novembro.
A Fenabrave informou que espera crescimento de 2,4% nas vendas de automóveis e comerciais leves em 2017, para 2,034 milhões de unidades, e avanço de 3,15% na soma dos segmentos de caminhões e ônibus - expansão de 2,8% para os caminhões e de 4,4% para ônibus.
As projeções representam um maior pessimismo da associação de concessionárias para este ano. No fim do ano passado, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr, havia dito que esperava crescimento em torno de 5% nas vendas de automóveis e comerciais leves e de "7% a 8%" para os caminhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia