Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de janeiro de 2017. Atualizado às 16h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

03/01/2017 - 15h10min. Alterada em 03/01 às 17h32min

Número de recuperações judiciais no País bate recorde em 2016, diz Serasa

Indústria naval gaúcha registrou retração com recuperação judicial da Ecovix

Indústria naval gaúcha registrou retração com recuperação judicial da Ecovix


ANTONIO PAZ/JC
O número de recuperações judiciais no ano passado foi o maior em uma década, batendo recorde, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira pela Serasa Experian. Em 2016, foram registrados 1.863 requerimentos, o maior volume desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências.
O número de pedidos de recuperação judicial em 2016 também foi 44,8% maior do que em 2015, quando foram registradas 1.287 ocorrências, e 125% superior a 2014, com 828 demandas.
No Rio Grande do Sul, a Engevix Construções Oceânicas (Ecovix) entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro. Alguns dias antes, a Ecovix - braço de construção naval da empreiteira - já havia demitido 3,2 mil dos 3,7 mil trabalhadores do estaleiro que opera em Rio Grande.
O quadro recessivo da economia brasileira no último ano prejudicou a entrada de recursos no caixa das empresas, que também se depararam com o crédito mais caro, dificultando o financiamento e renegociação das dívidas. Assim, houve deterioração da saúde financeira das companhias, ocasionando patamar recorde dos pedidos de recuperações judiciais, segundo avaliação dos economistas da Serasa Experian.
As micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial de 2016, com 1.134 demandas, seguidas pelas médias, com 470, e grandes empresas, com 259.
Na análise mensal, a pesquisa verificou aumento de 22,9% nos requerimentos de recuperação judicial em dezembro ante novembro. Já na comparação entre dezembro de 2016 e o mesmo mês de 2015 houve queda de 3,3%.
Em 2016 foram realizados 1.852 pedidos de falência em todo o País, um aumento de 3,9% em relação aos 1.783 requerimentos efetuados em 2015. Foi a maior quantidade destas ocorrências dos últimos quatro anos (1.852 em 2016; 1.783 em 2015; 1.661 em 2014 e 1.758 em 2013).
Dos 1.852 requerimentos de falência efetuados em 2016, 994 foram de micro e pequenas empresas, 426 de médias e 412 de grandes.
Na comparação mensal, a pesquisa verificou queda de 18,8% nos requerimentos de falências em dezembro ante novembro. Já na comparação entre dezembro de 2016 e o mesmo mês de 2015, houve alta de 3,9%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia