Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de janeiro de 2017. Atualizado às 22h24.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 03/01/2017. Alterada em 02/01 às 23h16min

Agenda difícil

A agenda do Congresso Nacional está infinitamente mais explosiva do que nos bons tempos de estabilidade institucional. Duas grandes e impopulares reformas estão na mesa: a trabalhista e a previdenciária. E as duas terão dificuldade de ir para frente. Apesar de 2017 não ser ano eleitoral, deputados e senadores estão receosos de apoiar projetos impopulares. E nada garante que o ano será mais tranquilo que 2016. A saga do impeachment pode voltar, já que o Supremo Tribunal Federal determinou a abertura de uma comissão para analisar o impedimento de Michel Temer (PMDB). A determinação foi cumprida, falta só os partidos indicarem os nomes. Qualquer mal estar mais grave poderá virar uma reedição do ano passado.
Base instável
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia