Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h05.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 26/01/2017. Alterada em 26/01 às 08h05min

Frases e personagens

João Dib (PP), ex-prefeito e ex-vereador de Porto Alegre

João Dib (PP), ex-prefeito e ex-vereador de Porto Alegre


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/
"O prefeito é sempre um administrador da escassez. Passei por isso quando assumi a prefeitura, em 1983. As preocupações do prefeito Nelson Marchezan (PSDB) estão inseridas na crise econômico-financeira do Brasil." João Dib (PP), ex-prefeito e ex-vereador de Porto Alegre.
"A prefeitura tem muitas dívidas ainda de 2016, cerca de R$ 507 milhões. As receitas não cobrem as despesas. Mas, com o IPTU antecipado, pagaremos em dia o funcionalismo em janeiro e fevereiro. Faltarão outros 10 meses, e temos déficit de R$ 1,3 bilhão em 2017." Nelson Marchezan Júnior (PSDB), prefeito da Capital.
"Essa situação não é apenas resultado da crise da União e do Rio Grande do Sul. Tem prefeituras que estão melhores que Porto Alegre, como estados há que estão melhores financeiramente que o Rio Grande do Sul. Há também a crise de escolhas e de decisões que foram tomadas anteriormente." Também Nelson Marchezan Júnior.
"Em princípio, faz sentido que o percentual do duodécimo do Judiciário e do Legislativo seja pago de acordo com a arrecadação efetiva, não a prevista no orçamento. Mas, na prática, isso inviabilizaria o Judiciário, que não teria como honrar compromissos em todos os meses do ano." Luiz Felipe Silveira Difini, presidente do Tribunal de Justiça do Estado.
"Não podemos nos iludir, o pagamento mensal à União, cerca de R$ 250 milhões, que terá carência, representa apenas 1/5 da folha do funcionalismo." José Ivo Sartori (PMDB), governador do Estado.
"Se tiver dinheiro, o governo pagará o funcionalismo no primeiro dia útil do mês. Mas temos uma grave crise econômico-financeira no País." Giovani Feltes (PMDB), secretário estadual da Fazenda.
"Pedimos ao presidente da República, Michel Temer (PMDB), que reajuste a Tabela do Imposto Sobre a Renda das Pessoas Físicas (IRPF). O reajuste é algo correto e necessário na atual conjuntura." Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia