Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h01.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Com a palavra

Notícia da edição impressa de 27/02/2017. Alterada em 24/02 às 16h36min

Abbraccio traz cozinha italiana para solo gaúcho

Carvalheira, presidente da rede de restaurantes no Brasil, falou sobre a aposta da Abbraccio no RS

Carvalheira, presidente da rede de restaurantes no Brasil, falou sobre a aposta da Abbraccio no RS


PEDRO BRAGA/JC
Nicole Feijó
Desde o ambiente até o cardápio, o restaurante Abbraccio Cucina Italiana foi elaborado para levar os clientes brasileiros à Itália. Isso porque a marca, em expansão no Brasil desde 2014, investe em uma reunião de cores, aromas, sabores e a essência do povo italiano com um toque de modernidade. Integrante do Grupo americano Bloomin' Brands, também detentor dos restaurantes Outback, o Abbraccio teve o Brasil como país-piloto, inaugurando sua primeira loja em São Paulo, há dois anos. Depois da capital, do interior paulista e de Brasília, o oitavo restaurante da marca foi inaugurado em janeiro deste ano, em Porto Alegre.
A proposta da marca não é reconhecida apenas em seu nome - Abbraccio, em italiano, significa abraço -, mas também na forma de atendimento e como os funcionários se chamam, Amici - amigos, na mesma língua. Inspirada na marca Carrabba's Italian Grill, que possui mais de 240 restaurantes espalhados pelo mundo, o Abbraccio aposta no bom atendimento e na cozinha aberta como diferencial e, desta forma, pretende totalizar aproximadamente 50 unidades no Brasil, nos próximos cinco anos. "Nós queremos trazer um serviço casual com uma equação de justo valor, que permita que o nosso consumidor possa vir ao restaurante várias vezes ao mês", esclarece Ricardo Carvalheira, presidente da Abbraccio no País.
Há 25 anos no mercado de trabalho, ele iniciou a carreira trabalhando com organização de eventos em Recife, sua cidade natal. Formado em Administração de Empresas e chefe de cozinha por amor, ao assumir a presidência da Abbraccio em 2014, Carvalheira já contava com a experiência que reuniu ao longo dos anos quando passou por grandes empresas como Mc Donald's, Starbucks e Yum! Brands.
JC Empresas & Negócios - Por que o Brasil foi escolhido como país-piloto para receber o Abbraccio?
Ricardo Carvalheira - A nossa empresa, Bloomin Brands, vem trabalhando no mercado brasileiro há mais de 20 anos com o Outback e nós sempre fomos muito bem recebidos e acolhidos. É um mercado que oferece muito potencial para crescimento, afinal de contas, nós temos uma população economicamente ativa bem relevante. Dos 200 milhões de habitantes, temos uma grande parte entre 18 e 64 anos, ou seja, é uma população jovem que quer ter acesso, frequentar e prestigiar novidades, por isso é um mercado excelente.
Empresas & Negócios - O Abbraccio está só no Brasil, com oito unidades. Ele foi desenvolvido e pensado para os brasileiros?
Carvalheira - O nosso conceito inspirador é o Carrabba's Italian Grill, que tem a temática italiana e o nome dele vem da família Carraba's, que levou todas as receitas tradicionais italianas para os Estados Unidos. O Abbraccio nasceu com o objetivo de criarmos uma marca global de restaurantes casuais italianos, desde o nome até todo o plano de desenvolvimento. Todo o cardápio foi pensado para que pudéssemos expandir essa marca e o piloto deste projeto foi aqui no Brasil, com muito sucesso e com essas oito unidades. Então eu diria que 70% é exatamente o cardápio do Carraba's e os outros 30% foram adequados ao gosto do brasileiro. Além da expansão no Brasil, com a previsão de abertura de 40 a 50 unidades nos próximos cinco anos, tem ainda a expansão internacional. No ano que vem, começamos a abrir lojas em outros países e já temos negócios sendo fechados.
Empresas & Negócios - Quais são algumas características que vocês identificaram, como marca, para atender o brasileiro?
Carvalheira - Eu falo sempre das experiências que eu tive e a qualidade dos recursos humanos no Brasil faz toda a diferença. A gente mora em país onde o povo é muito caloroso, apesar de todas as dificuldades e da questão cultural, o DNA do povo brasileiro é um dos melhores para a gente trabalhar serviços. Então, procuramos desenvolver esse talento e trazer esse DNA à tona, através do programa de treinamento e do cuidado que a gente trata as nossas pessoas. Acreditamos que quando cuidamos bem das nossas pessoas, elas vão cuidar bem da instituição.
Empresas & Negócios - Por que a escolha de Porto Alegre como terceiro polo de investimento no Brasil, depois de São Paulo e Brasília?
Carvalheira - Nós acreditamos muito no mercado de Porto Alegre. Os clientes em potencial são abertos a novidades e gostam de experimentar. Então, a expertise que nossa companhia tem explorado e a nossa outra marca em Porto Alegre animam por entender que é um mercado que vai responder muito bem ao tipo de serviço, a qualidade de produto e ao valor que vamos cobrar. Por todos esses aspectos ficamos muito seguros que foi uma escolha certa.
Empresas & Negócios - De que forma que o Abbraccio se prepara para conquistar os clientes gaúchos? Foi feita alguma pesquisa para entender o cliente, levando em consideração os costumes e as diferenças de clima, comparado a São Paulo e Brasília?
Carvalheira - Ficamos muito preocupados em nos conectarmos imediatamente com todas as comunidades onde vamos fazer negócios. Então, apesar de trazermos um cardápio que, provavelmente, vá funcionar em diversos ambientes, eventualmente há alguma adaptação no cardápio. Vamos trazer vinhos da Miolo especiais para o cardápio do Rio Grande do Sul, porque entendemos que o público consome mais e aprecia esse vinho, cuja vinícola é do Estado. Nós procuramos uma instituição para, antes de abrir ao público, nos conectarmos com a comunidade e conhecermos mais do Estado. Então fizemos um evento beneficente com toda a renda revertida para a Instituição Renascer da Esperança, instituição de Porto Alegre dedicada a crianças carentes. Procuramos nos conectar desde muito cedo com os locais, seja através de pesquisa ou recrutamento de funcionários, sendo 99% deles gaúchos. Tivemos 12 colaboradores em treinamento em São Paulo e levamos um time para fazer a inauguração, mas depois o restaurante é tocado 100% por mão de obra local.
Empresas & Negócios - Por que todos os restaurantes Abbraccio, até agora, foram abertos em shoppings centers?
Carvalheira - Na verdade, o shopping atrai. Temos uma comodidade de estar dentro de um centro comercial já consolidado e que traz segurança e comodidade ao cliente. Ele pode estacionar o carro e fazer outras atividades ao mesmo tempo. Você tem a estrutura do condomínio, então é um modelo que tem se mostrado de sucesso para nós, apesar da companhia ter outras unidades em rua também.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia