Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de dezembro de 2016. Atualizado às 13h05.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 22/12/2016. Alterada em 21/12 às 21h18min

Extinção da Smam recebe duras críticas na Câmara

Catadores acompanharam a votação nas galerias do Legislativo

Catadores acompanharam a votação nas galerias do Legislativo


ELSON SEMPE PEDROSO/CMPA/JC
Juliana Mastrascusa, especial para o JC
O primeiro projeto de Nelson Marchezan Júnior (PSDB) encaminhado para a Câmara de Vereadores, através do prefeito José Fortunati (PDT), já encontra dificuldades para passar sem modificações entre os vereadores. A reforma administrativa que prevê a extinção de 16 secretarias, com a criação de nove para readequar tarefas, recebeu críticas inclusive de parlamentares da base do futuro governo.
O maior conflito ocorre em torno da Secretaria de Meio Ambiente (Smam), criada em 1976 na gestão do atual vereador, então prefeito, Guilherme Socias Villela (PP). A pasta foi a primeira no Brasil estruturada para cuidar do tema. Villela subiu à tribuna para defender a permanência da Smam e se disse surpreso com a proposta de Marchezan.
"A Secretaria do Meio Ambiente não é só para cuidar do presente, é para o futuro", apontou Villela, colega de partido do vice-prefeito Gustavo Paim (PP). O ex-vereador e ex-secretário do Meio Ambiente Beto Moesch (PP) acompanhou a sessão das galerias. João Bosco Vaz (PMDB) criticou ainda a extinção da Secretaria de Esportes, Recreação e Lazer.
A atual bancada de oposição do Legislativo critica outros artigos do projeto, além da extinção de secretarias. Para Fernanda Melchionna (PSOL), pastas foram criadas nas últimas gestões municipais para abrigar aliados políticos do prefeito eleito. Entretanto, a vereadora critica a extinção sem o diálogo necessário.
Os vereadores do PSOL apontam como "um ponto grave" do projeto um artigo que, segundo Melchionna, permite que o Executivo realiza alterações na administração por decreto. Mesmo com as discussões, os vereadores não iniciaram a votação da proposta. A apreciação deve acontecer hoje em uma sessão extraordinária e outra ordinária à tarde.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários