Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de dezembro de 2016. Atualizado às 20h10.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reestruturação do Estado

19/12/2016 - 17h39min. Alterada em 19/12 às 21h10min

Votação de pacote de Sartori tem confronto entre BM e servidores

Protestos em frente à Assembleia Legislativa marcaram início da votação do pacote de medidas do governo do RS

Protestos em frente à Assembleia Legislativa marcaram início da votação do pacote de medidas do governo do RS


JONATHAN HECKLER/JC
A apreciação do pacote de ajuste fiscal apresentado pelo governador José Ivo Sartori (PMDB) teve um início tenso na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, na tarde desta segunda-feira (19). A tensão começou já do lado de fora do prédio, onde funcionários públicos  estão reunidos desde a manhã para protestar contra o conjunto de medidas.
Por volta das 14h, um grupo de servidores derrubou parte dos grades colocados para isolar um dos acessos da Assembleia Legislativa. O ato gerou reação por parte da Brigada Militar (BM), que faz a escolta do local e evita a entrada do funcionalismo. Os policiais da Tropa de Choque usaram bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes.
O primeiro confronto durou cerca de dez minutos. No meio da confusão, um repórter da Rádio Gaúcha, Daniel Fraga, foi atingido por uma pedra. Os servidores estão insatisfeitos com a decisão da Assembleia de restringir o acesso às galerias para acompanhar a votação. Foram distribuídas cerca de 160 senhas - 80 para apoiadores e 80 para opositores ao pacote -, seguindo a previsão da Assembleia. O local comportaria 250 pessoas.
Confira vídeo do confronto
Em paralelo ao tumulto os deputados deram início à discussão do primeiro projeto em pauta, que prevê a alteração da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI). O governo quer dissolver a autarquia, que passaria a integrar a estrutura da Secretaria de Planejamento. A discussão já foi interrompida diversas vezes por manifestações dos servidores que estão na galeria.
Por volta das 15h40, houve novo confronto entre a polícia e os servidores que estão na parte externa da Assembleia, sem acesso ao plenário. Gradis que dão acesso ao prédio foram derrubados novamente, e a Tropa de Choque agiu para conter os manifestantes.
Nesta manhã, Sartori fez um pronunciamento fazendo um apelo para que os deputados aprovem o pacote de ajuste. "Se nada for feito agora, nosso Estado viverá anos muito duros pela frente e os serviços públicos vão entrar cada vez mais em colapso", disse. Ele defendeu a necessidade das propostas de austeridade apresentadas, lembrando que o governo estadual não consegue pagar os salários do funcionalismo em dia. "O Rio Grande do Sul está em calamidade financeira. Nosso plano é a favor dos servidores, porque não há nada mais prejudicial do que o desequilíbrio das contas e o rombo previdenciário", falou. Informações do Estadão Conteúdo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia