Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de dezembro de 2016. Atualizado às 14h05.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Alterada em 15/12 às 15h06min

Maia encerra sessão sem votar projeto da renegociação de dívidas dos Estados

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou a sessão do plenário sem votar o projeto sobre a renegociação da dívida dos Estados. A decisão foi tomada devido ao baixo número de deputados no plenário. Para ser aprovada, a proposta precisa do voto de 257 parlamentares.
A votação poderá ser retomada ainda nesta quinta-feira (15) após a sessão do Congresso. A Câmara também deve ter sessões na próxima semana, antes do início do recesso parlamentar.
A aprovação do projeto é considerada prioritária para os Estados que enfrentam uma crise financeira, como Rio, Minas e Rio Grande do Sul. O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, se reuniu com deputados mais cedo para discutir o texto.
Durante a sessão, representantes de partidos da oposição pediram para adiar a votação para que pudessem avaliar as mudanças que foram realizadas pelo Senado.
Na quarta-feira, os senadores aprovaram a renegociação da dívida dos Estados com contrapartidas mais duras e a inclusão do chamado Regime de Recuperação Fiscal para governos estaduais em desequilíbrio financeiros. A introdução do programa especial no texto já em tramitação foi a estratégia adotada pela equipe econômica do governo para acelerar sua aprovação, uma vez que governadores precisam da medida para ter algum alívio financeiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia