Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h17.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Congresso Nacional

06/12/2016 - 20h15min. Alterada em 06/12 às 20h21min

Onyx Lorenzoni entra com queixa-crime no STF contra Renan por calúnia

'Optamos por não interpelar, e sim por uma queixa-crime por calúnia e difamação', disse Onyx

'Optamos por não interpelar, e sim por uma queixa-crime por calúnia e difamação', disse Onyx


FREDY VIEIRA/JC
O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) entrou com uma queixa-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por calúnia e difamação. O anúncio foi feito pelo deputado gaúcho, em postagem publicada nas redes sociais nesta terça-feira (6).
"Optamos por não interpelar, e sim por uma queixa-crime por calúnia e difamação. Assim que sair a relatoria, informamos a todos", afirmou no texto o deputado.
No dia 1º de dezembro, em sessão no Senado para debater a lei as medidas do pacote anticorrupção, Renan teria insinuado que o deputado recebeu dinheiro de caixa 2 da indústria de armas. O presidente do Senado ainda fez uma piada com seu sobrenome: "eu queria dizer apenas que não houve aqui agressão ao relator da matéria na Câmara dos Deputados, ao Onyx Lorenzetti. Parece nome de chuveiro, mas não é nome de chuveiro".
Onyx Lorenzoni foi o relator da lei anticorrupção (PL 4850/16), protocolada na Câmara pelo Ministério Público e que teve o apoio de mais de 2 milhões de pessoas em todo o Brasil. O texto acabou tendo vários artigos alterados durante a votação no plenário da Câmara dos Deputados.
Veja abaixo a postagem:
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia