Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de dezembro de 2016. Atualizado às 02h47.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Manifestação

05/12/2016 - 20h10min. Alterada em 06/12 às 03h49min

Líder do MBL chama Calheiros de 'bandido e coronel' e alerta que petista assume Senado

Kataguiri, em post do MBL no Facebook, diz que Jorge Viana (PT) é inimigo de Moro

Kataguiri, em post do MBL no Facebook, diz que Jorge Viana (PT) é inimigo de Moro


Reprodução Facebook/JC/
Patrícia Comunello
"É criminoso, é bandido, é um coronel." Com os três adjetivos, o coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri, qualificou Renan Calheiros (PMDB-AL) ao comentar o afastamento do senador da presidência do Senado, decidido nesta segunda-feira (5) pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Kataguiri ainda alertou, em transmissão ao vivo (live) pelo Facebook, que "um petista" Jorge Viana (PT-AC) assume o cargo. Viana é o primeiro-vice-presidente da Casa. 
Em post no Facebook após o live, o líder do MBL faz o alerta: "Urgente: Petista inimigo de Moro assume presidência do Senado". A tese do coordenador do MBL é que Viana poderá interferir para adiar a votação da PEC 55, do teto dos gastos, que tramita na Casa. "Ele pode usar o poder para boicotar a votação, que seria o caos na economia." Ao citar o juiz Sérgio Moro, o líder associa Viana a eventual manobra contra apurações da Operação Lava Jato e para agilizar a aprovação do artigo de abuso de autoridade contra juízes e promotores, também alvo de protestos.  
As críticas do líder do MBL também se voltaram até mesmo à decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do STF, que concedeu a liminar ao partido Rede Sustentabilidade. "É furada, enquanto não cai (Renan Calheiros), coloca um petista no poder e fortalece a corrupção. A liminar é fraca", disse o principal nome do MBL, que esteve nas manifestações desse domingo (5), que pediram a saída de Calheiros do Senado. 
O correto, pregou Kataguiri, seria julgar e condenar Calheiros para que ele perca o mandato. "O problema não é o cargo, mas os crimes que ele cometeu. Ele é criminoso, é bandido, é um coronel", listou Kataguiri, que acusou Marco Aurélio de usar as manifestações "para jogar com a galera".
"É oportunidade de aparecer, de fazer militância de toga", definiu Kataguiri. "Foi uma decisão tomada no impulso. 'Agora sou o heroi da Pátria, as pessoas vão gostar mais de mim' (simula sobre Marco Aurélio). Não caiam no conto do Marco Aurélio, foi o mesmo que protelou ao máximo o impeachment da Dilma (Dilma Rousseff, ex-presidente)."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia