Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h10.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 19/12/2016. Alterada em 18/12 às 22h10min

Uma saída para o Brasil

Gilberto Fontoura
O Brasil vive o resultado do seu momento sociedade do risco. Indivíduos altamente qualificados, em certo momento, resolveram correr riscos, tanto quanto o "aviãozinho" que trabalhava para o traficante na máxima de que "isso não vai dar em nada"! Deu! Temos um presidente da República com pouco ou nenhum apoio popular, acuado por denúncias, vários de seus ministros na mesma situação, um Congresso Nacional com tantos réus que até parece o "Carandiru" em seus tempos áureos. Qual é a saída? Lula lá? FHC de novo? Marina? Aécio está fora! Aliás, noves fora, zero! Precisamos encontrar um cenário econômico viável, sem o velho neoliberalismo, sem a velha e rancorosa esquerda, alguém disse que tirar pessoas da extrema miséria não é política econômica! Ops! O ser humano não é o epicentro do mercado? O que é o mercado, para que serve? Nessa nossa "Aldeia Global", ainda temos que buscar a qualidade de vida para todos, não para castas; isso, graças a Deus, já passou, se não há mais espaços para a esquerda e seus arroubos, muito menos para a extrema direita, isso minha geração já viveu e deu no que deu, ou seja, em nada, pois voltamos à velha e boa democracia! Precisamos depurar, sim! Mas sempre dentro das regras do Estado Democrático de Direito, pois só assim evoluiremos como nação!
Advogado criminalista
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia