Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h10.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

editorial

Notícia da edição impressa de 19/12/2016. Alterada em 18/12 às 22h10min

Pacote de estímulos à economia e a crise no Brasil

Açoitado por denúncias nas delações premiadas, o governo do presidente Michel Temer (PMDB) lançou medidas microprudenciais com vistas à retomada da economia e para estancar os malefícios advindos da paralisia que assola o País. Realmente, elas devem ajudar, mas, a rigor, não resolvem a situação atual, angustiante.
As ações do governo federal podem ser um início, segundo a poderosa Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), que espera a retomada dos negócios apenas para meados de 2017. Entidades empresariais, de modo geral, consideraram que o pacote de medidas do governo é positivo, porém, as iniciativas ainda são tímidas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia