Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 07h39.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Síria

28/12/2016 - 08h43min. Alterada em 28/12 às 08h44min

Turquia e Rússia fecham acordo de cessar-fogo na Síria

Única exceção será a continuidade de ataque contra grupos terroristas

Única exceção será a continuidade de ataque contra grupos terroristas


George OURFALIAN/AFP/JC
Agência Brasil/Ansa
A Turquia e a Rússia fecharam um acordo de cessar-fogo em todo o território sírio, informou a agência oficial de notícias de Ancara, Anadolu, nesta quarta-feira (28). Agora, esse documento será submetido à aprovação do governo sírio e dos grupos de oposição do país que está há mais de cinco anos em guerra.
Entre os principais termos da negociação, Ancara e Moscou querem colocar a trégua em vigor já na madrugada desta quinta-feira (29) "em todas as zonas de combate entre as forças do governo e os rebeldes". A única exceção será a continuidade de ataque contra "grupos terroristas".
Desde a última semana, representantes do governo turco, russo e do Irã estão debatendo alternativas para por fim aos conflitos na Síria. O acordo fechado agora não inclui os ataques dos Estados Unidos e da coalizão internacional - incluindo os países europeus.
Até o acordo, o governo de Ancara não apoiava o presidente sírio, Bashar al-Assad, e realizava ataques especialmente nas fronteiras entre as duas nações - onde, além dos terroristas do Estado Islâmico (EI) e da Frente al-Nusra, combatia grupos curdos que querem criar uma região autônoma no território turco.
O que não ficou claro, segundo a Agência Ansa, é se Ancara continuará atacando os curdos. Isso porque, apesar de não contar com reconhecimento internacional, o governo de Recep Tayyip Erdogan considera "terroristas" diversos desses grupos que lutam contra seu governo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia