Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h54.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Terrorismo

Alterada em 26/12 às 18h57min

Especialistas veem possibilidade de avião russo ter sido alvo de terrorismo

Apesar de o Kremlin praticamente descartar a possibilidade de que um atentado terrorista tenha sido a causa da queda do avião militar russo no Mar Negro, especialistas afirmam que a falta de comunicação de problemas técnicos por parte da tripulação e a ampla área sobre a qual foram encontrados destroços da aeronave podem ser indicações de explosão a bordo.
Isso levanta a possibilidade de que uma bomba tenha sido plantada na aeronave ou que ela tenha sido atingida por um míssil.
Evidências de que o avião tenha sido abatido podem deixar o Kremlin em situação embaraçosa, deixando transparecer vulnerabilidade a ataques. O ministro russo dos Transportes, Maxim Sokolov, disse ontem que os investigadores trabalham com a hipótese de erro do piloto ou falha técnica, mas especialistas se mostram céticos quanto a essa teoria.
"Possíveis falhas técnicas não teriam impedido que a tripulação reportasse o problema", disse Vitaly Andreyev, ex-controlador de tráfico aéreo da Rússia, à RIA Novosti. Para ele, um "impacto externo" é a razão mais provável da queda.
A principal agência russa de segurança e combate ao terrorismo, a FSB, informou que não foram encontrados "indicações ou fatos que apontem a possibilidade de ataque terrorista ou ato de sabotagem a bordo do avião".
A mídia russa aponta falta de segurança no aeroporto de Chkalovsky, onde o avião se encontrava. Alexander Gusak, ex-chefe da unidade de forças especiais do FSB, também destaca brechas de segurança em Chkalovsky e diz que mesmo um aeroporto mais seguro poderia ser vulnerável. "É possível penetrar em qualquer instalação. Depende de suas habilidades", disse à Dozhd TV. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia