Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h50.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 18/12 às 20h50min

Líbia interrompe retomada da produção de petróleo em campos do oeste

A companhia estatal de petróleo da Líbia interrompeu a retomada da produção em campos na região Oeste do país, após uma milícia ter ameaçado bloquear a distribuição do produto no mercado, de acordo com autoridades locais.
A interrupção é um golpe para a indústria de petróleo do país, que tem contado com os grandes campos da região Oeste para retomar a produção. Um oleoduto que pode transportar até 400 mil barris por dia de dois campos do oeste foram parcialmente abertos na última quarta-feira, mas os esforços para enviar os volumes para os portos foram interrompidos.
Negociadores do mercado de petróleo têm acompanhado de perto a produção líbia. O país é membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), mas foi dispensado do recente acordo do cartel para reduzir a oferta porque sua produção tem sido interrompida nos últimos anos.
A decisão abrupta de interromper a retomada da produção ilustra o difícil desafio enfrentado pela petroleira estatal que tenta impulsionar a extração de petróleo após anos de produção suprimida desde a morte de Muammar Gaddafi, em 2011. O país se fragmentou entre governo rivais no leste e no oeste e entre uma série de milícias com alianças mutáveis.
O acordo para retomar a produção envolver negociações com duas milícias que controlar diferentes aspectos dos campos do oeste. Mas uma parcela da Guarda das Instalações de Petróleo dominada pelo grupo étnico Tubu disse que foi excluída das negociações e quer agora que uma das outras milícias deixe o campo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia