Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 17 de dezembro de 2016. Atualizado às 12h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

17/12/2016 - 13h39min. Alterada em 17/12 às 13h46min

Trump critica China por apreender drone dos EUA e vê ato ''sem precedentes''

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou neste sábado o fato de a Marinha chinesa ter apreendido um drone norte-americano no Mar do Sul da China. "A China rouba um drone de pesquisa da Marinha dos Estados Unidos em águas internacionais - tira ele da água e o leva para a China em um ato sem precedentes", afirmou Trump em sua conta no Twitter.
Mais cedo, o Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que os militares do país estavam em contato com os dos EUA para "lidar apropriadamente" com o caso. Os EUA emitiram uma reclamação diplomática formal e pediram a devolução do drone, que segundo os norte-americanos é apenas para pesquisa.
Trump chegou a escrever errado a palavra inglesa equivalente a "sem precedentes" ("unprecedented"), depois corrigiu a mensagem. No fim de semana passado, o presidente eleito foi criticado nas redes sociais por escrever incorretamente a palavra "ridículo" ao criticar notícias supostamente falsas da CNN.
O episódio com o drone é mais um que tem o potencial para piorar a relação bilateral. O governo chinês tem se incomodado com a atuação de Trump, após o presidente eleito falar ao telefone com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, e depois questionar a política da "China única" mantida por Pequim. Há também críticas nos EUA à forte presença militar chinesa no Mar do Sul da China, uma área onde passam ao ano US$ 5 trilhões em comércio global. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia