Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de dezembro de 2016. Atualizado às 10h17.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Urbanismo

23/12/2016 - 17h58min. Alterada em 23/12 às 18h29min

Casarões da Luciana de Abreu, no Moinhos, são demolidos

Demolição dos casarões da rua Luciana de Abreu foi alvo de batalha na Justiça por 14 anos

Demolição dos casarões da rua Luciana de Abreu foi alvo de batalha na Justiça por 14 anos


CLAITON DORNELLES/JC
Seis casarões construídos na década de 1930 na rua Luciana de Abreu, bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, foram demolidos na sexta-feira. Os imóveis - números 242, 250, 258, 262, 266 e 272 - darão lugar a um empreendimento imobiliário da incorporadora Goldsztein.
Depois de 14 anos de batalha judicial, a empresa obteve uma vitória no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A corte decidiu que não havia valor histórico-arquitetônico nas casas.
O STJ seguiu a decisão que já havia sido tomada pelo Tribunal de Justiça Rio Grande do Sul, concluindo que as construções não foram projetadas por um dos principais arquitetos da história de Porto Alegre, o alemão Theo Wiederspahn, autor dos prédios do Margs, Memorial do Rio Grande do Sul, Casa de Cultura Mario Quintana entre outros.
Construções são da década de 1930. Foto MARCELO G. RIBEIRO/JC
A autoria de Wiederspahn era um dos argumentos da ação. O STJ também avaliou que o abaixo-assinado dos moradores não tinha por objeto as casas, mas o bairro Moinhos de Vento como um todo. 
A polêmica sobre o valor histórico, arquitetônico e cultural das casas da Luciana de Abreu começou em 2002, quando a Goldsztein fechou a negociação dos imóveis para construir um prédio de 16 andares no local.
Na época, moradores do Moinhos de Vento - organizados no movimento comunitário Moinhos Vive - se mobilizaram contra a demolição, com diversos protestos e um abaixo-assinado. Alegavam que as casas faziam parte da história do bairro e que sua demolição o descaracterizaria.
Posteriormente, o próprio MP, ao apresentar parecer escrito, concluiu que não havia o valor histórico ou arquitetônico, o que foi confirmado pelo Tribunal de Justiça, por unanimidade.
Em 2013, a Goldsztein e o MP chegaram a fechar um acordo para preservar três casas e demolir as outras três, mas o acerto não foi chancelado pelos moradores. Com isso, o caso seguiu na Justiça, até o atual desfecho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Leal 24/12/2016 15h06min
Estes movimentos de bairros são o avanço do atrazo. Tenho experiencia. Nas proximidades da rua Gonçalo de Carvalho foi impedido a construção de um Teatro. O da OSPA. Dentro do Shopping Total. Foi de chorar.