Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 29/12 às 20h34min

Consumo de energia elétrica no Brasil cai 1,2% em novembro, diz EPE

O consumo de energia elétrica do Brasil caiu 1,2% em novembro, para 38.645 gigawatts-hora (GWh), informou nesta quinta-feira (29), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A queda foi atribuída ao cenário econômico enfraquecido e temperaturas mais amenas na comparação com o mês de novembro do ano passado
O consumo do comércio foi o mais atingido, com recuo de 5,0%, a sexta queda mensal seguida em 2016. Já as classes industrial e residencial registraram estabilidade em relação a novembro do ano passado. A EPE destaca que não há sinais de recuperação da indústria pelos dados de consumo de energia.
"Ainda não se conseguiu visualizar, por meio da demanda industrial de eletricidade, uma possível recuperação da atividade econômica das indústrias, uma vez que o monitoramento das plantas industriais do País, principalmente dos ramos mais energointensivos, não tem indicado uma elevação expressiva e consistente do nível de consumo de energia elétrica em relação ao ano passado." A empresa atribuiu a estabilidade do consumo da indústria em novembro a um possível efeito estatístico.
Entre as regiões, Sudeste (-2,0%) e Centro-Oeste (-6,5%) puxaram a retração do consumo em novembro, enquanto o Nordeste exibiu o único avanço (+2,2%).
Nos últimos 12 meses o consumo de energia caiu 1,3%, puxado principalmente pela indústria (-3,7%). No comércio, recuou 2,3%, enquanto o consumo residencial cresceu 1,1%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia